Quinta-feira, 03.10.13

 

De tanto se ouvir falar sobre Veneza, há a sensação de já lá se ter ido, de se conhecer a cidade. Era o que se passava comigo; agora, depois de por lá ter passado, digo que não é bem assim. Os relatos e as fotografias não nos transmitem os sons, os aromas, o ambiente... e Veneza tem um charme muito próprio, aguça-nos os sentidos: a visão a 3D, o contacto com os autóctones, os cheiros, os sons (o ruído da água é permanente) e o prazer da boa comida italiana.

 

Sim, Veneza é uma cidade romântica, cheia de canais e ruelas estreitas, onde os turistas de todo o mundo circulam, sem pressa. Foram 4 dias inesquecíveis, incomparáveis.

 

Se estive na Praça de S. Marco? Claro e comi um gelado, divertida e distraída com tanta gente. Andei de gôndola? Sim, atravessei o Grande Canal, uma vez de gôndola, várias de vaporetto (os autocarros aquáticos de Veneza). Se fui a Murano? Obviamente que sim, entrei numa fábrica e vi ser fabricada uma peça em vidro. Também comprei um "ricordo", como manda a praxe.

Visitei basílicas, das quais destaco "Santa Maria della Salute" e fui ao "Il Ghetto", onde a comunidade judaica se junta para fazer as suas orações.

 

Vi tudo isso e gostei muito.

 

Depois, a "Bienal de Veneza", ponto alto das minhas férias em Itália. Há tanto para mostrar, que sobre este evento falarei no próximo post. A não perder....

 

c6ye.jpg 

kqme.jpg

  

hlte.jpg

 



publicado por numadeletra às 18:33 | Link do post | Comentar | Ver comentários (6) | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 18.09.13

 

É altura de terminar o relato da minha passagem por Florença. Foram seis posts em que tentei dar uma pequena noção do que vi, do imenso que a cidade tem para mostrar, enriquecendo-nos, porque quem a visita e a aproveita só pode sair culturalmente mais rico. Pelo menos foi como me senti. Muitos sítios, estórias e factos ficaram por partilhar aqui no Numa de Letra; é impossível pôr em palavras tanta beleza arquitectónica, tanta Arte.

 

Não cheguei a falar na “Casa di Dante” nem na sua igreja, nem em “Orsanmichele” e em tantas outras igrejas e capelas… ahh!... e nos concertos de órgão que soavam à entrada de algumas capelas ao passar na rua, e a que eu quase nunca consegui resistir, sentar-me e a ficar a ouvir, quase sempre comovida.

 

Não referi os os fantásticos “O Nascimento de Venus” de Botticelli e “A Sagrada Família” de Miguel Ângelo que tive o privilégio de ver ao vivo. Quando penso nesses longos momentos em que fiquei literalmente siderada tamanha era a perfeição, continuo maravilhada. Foram génios únicos, sem dúvida.

 

…A Pietà de Miguel Ângelo, conservada no Museu dell’Opera del Duomo, concluída pelos seus discípulos e que, comparada com a original que vi no Vaticano, se revela bastante imperfeita.

 

Nem falei na Piazza della Repubblica que quase diariamente percorri e em tantas outras praças, cada uma com o seu encanto e em vários outros locais onde recentemente foram filmadas cenas do filme inspirado no último livro de Dan Brown, “Inferno”.

 

Na impossibilidade de visitar tudo o que Florença nos oferece, cumpri o ritual de “Il Porcellino” (a cópia do século XVII, em bronze, da estátua romana em mármore, de um javali que se pode ver nos Uffizi). Passei a mão no focinho brilhante e polido da estátua.

 

Entretanto aproxima-se a hora do comboio que me levará a Veneza.

Já com saudades, deixo Florença e aqui se completa o que consegui expôr certa de que é pouco, comparado com o que a cidade tem.

 

4.1.jpg4.2.jpg4.3.jpg4.1.jpg4.5.jpg

 



publicado por numadeletra às 19:00 | Link do post | Comentar | Ver comentários (11) | Adicionar aos favoritos

Domingo, 08.09.13

 

A beleza clássica de Florença é espectacular e as principais atracções são de tamanha imponência, que será difícil encontrar outra cidade tão "perfeita".

Dessas atracções, há as que já aqui salientei (apenas parte delas, claro!) e há também o Duomo, a catedral de Florença, chamada Santa Maria del Fiore.

Este é mesmo um dos principais pontos turísticos da cidade. A sua fachada é neogótica, em mármore de várias cores.

 

A0 lado e a condizer com o estilo da catedral, o Campanile di Giotto com 85 metros de altura, revestido de mármore toscano branco, verde e rosa e ainda com painéis de baixo-relevo de Andrea Pisano.

 

Em frente a ambos, o Baptistério, um edifício redondo e dos mais antigos de Florença. Lá dentro, a enorme pia octogonal onde muitos florentinos célebres, como Dante, foram baptizados. No tecto mosaicos coloridos com cenas do Juízo Final.

É ainda no Baptistério que estão frescos importantes como a Divina Comédia de Dante, de Domenico de Michelino, para além de belíssimos vitrais feitos por famosos artistas italianos, como Donatello. Por fora, exibe a réplica da célebre e pomposa “Porta do Paradiso” de Ghiberti cujos portões são adornados com mosaicos que retratam cenas bíblicas. Os originais, em bronze, estão no Museo dell’Opera del Duomo e são os que mostro na fotografia abaixo.

 

Mais alta 6 metros que o Campanile, a Cúpula de Brunelleschi domina toda a cidade, sendo possível vê-la de quase todo o lado, assim como também é possível subir os 463 degraus da escadaria interior. É de perder o fôlego, mas a vista vale a pena. A cúpula exibe cenas do Juízo Final e frescos de Vasari.

 

Nos arredores do Duomo ficam outras atracções interessantes, como a Cripta di Santa Reparata e as capelas Absidais.

 

O relato sobre Florença está quase no fim, faltando mesmo e apenas “o quase”… do próximo post.

 

Florença 3.1.jpgFlorença 3.3.jpgFlorença 3.4.jpgFlorença 3.2.jpg

  



publicado por numadeletra às 16:36 | Link do post | Comentar | Ver comentários (14) | Adicionar aos favoritos

Domingo, 01.09.13

 

A Piazza della Signora é uma das principais praças da cidade e nela se encontra a Galleria degli Uffizi, o Palazzo Vecchio, a Fontana di Netuno, a Loggia dei Lanzi e uma numerosa quantidade de esculturas ao ar livre, como Hercules e Cacus de Bandinelli e David de Miguel Ângelo.

 

O Palazzo Vecchio é a sede do município da cidade e já foi sede do Parlamento italiano. Aí fica também um importante museu com obras de Michelangelo, Donatello e Bronzino, entre outros.

 

A Galleria degli Uffizi é sem dúvida o museu mais importante de Florença e há até quem diga de Itália, porque lá se encontra o maior acervo de arte gótica e renascentista do país,  com famosas obras de Leonardo da Vinci , Raffaello, Michelangelo e Boticelli, só para enumerar alguns, pouquíssimos. Ao lado da Galleria degli Uffizi fica a Loggia dei Lanzi, uma espécie de terraço com fantásticas esculturas.

 

A leste desta praça fica a Basilica de Santa Croce, que guarda os túmulos de Nicolau Maquiavel e GalileuGalilei.

 

O extraordinário  e compacto centro histórico de Florença  deve ser percorrido a pé, com mais ou menos gelados e sempre com muita água, tal é o calor que se faz sentir. Mas a riqueza de todos os recantos, que são muitos, a voracidade com que se pretende ver mais e mais aguçam-nos os sentidos. Em cada nicho, parede ou pedra, lá vêm símbolos alusivos à Maçonaria, à qual pertenceram  os maiores vultos renascentistas italianos, como se sabe.

Confesso que sinto alguma dificuldade em transmitir a sensação de pequenez que fica, perante tamanha grandiosidade. Oxalá houvesse mais palavras para descrever correctamente o muito que vi. Ainda há mais para dissertar e mostar sobre Firenze, a belíssima cidade, difícil de descrever nestes pequeninos textos.

 

No próximo post vamos conhecer o edifício mais alto de Florença… e não só!

 

Florença - Parte 2_2.jpgFlorença - Parte 2_1.jpgFlorença - Parte 2_3.jpgFlorença - Parte 2_4.jpg

 



publicado por numadeletra às 17:03 | Link do post | Comentar | Ver comentários (14) | Adicionar aos favoritos

Segunda-feira, 26.08.13

 

Florença é uma das cidades italianas mais visitadas por turistas, depois de Roma e Milão. Quem lá esteve não duvida da sua importância e contributo para a Arte e Cultura de Itália.

Capital da belíssima região da Toscana, foi importante inclusive, na segunda metade do século XIX (de 1865 a 1871), tendo sido capital durante esse período, quando também foi definido que a língua oficial do país, até então o siciliano, passasse a ser o italiano, muito devido é fortíssima influência de grandes artistas, como Dante.

 

Agosto não é propriamente o mês ideal para visitar Florença, tão elevadas são as temperaturas, a atingirem os 40ºC. Valem os fantásticos gelados (acreditem que são mesmo fantásticos!) para refrescar e, claro, a beleza e todas as riquezas que fazem desta cidade um tesouro histórico e cultural renascentista, despertando-nos a mente e camuflando os sinais de cansaço.

 

A cidade está intimamente ligada ao domínio da poderosíssima e nobre família Medici, que a governou durante quase 300 anos - de 1434 até 1743 -. Os Medici ajudaram a criar o esplendor do Renascimento e todos os ícones da Arte desse período foram, em algum momento da vida, favorecidos por eles.

Começo por destacar o "Palazzo Pitti", comprado em 1550 pelos Medici e, a partir daí, sua residência oficial. Dentro deste palácio existem várias galerias importantes e aqui encontramos autênticos tesouros das colecções dos Mecici e da corte Habsburgo-Lorena. Infelizmente só é permitido fotografar os Jardins Boboli, as belíssimas esculturas das varandas e do exterior do palácio. Ficam assim, por partilhar aqui no Numa de Letra, algumas das majestosas obras do Renascimento e Barroco, os frescos barrocos, obras-primas de Botticelli, Ticiano, Caravaggio, Perugino, Andrea del Sarto, Tintoretto, Rubens e Van Dyck, entre tantos outros.

 

Parte da colecção Medici foi transferida para a Galleria degli Uffizi, situada na Piazza della Signora, sobre a qual dissertarei num próximo post.

 

Ainda uma breve referência à emblemática Ponte Vecchio, projectada em 1345 por Taddeo Gaddi. É a mais famosa de Florença e sempre teve muitas lojas: inicialmente carniceiros, curtidores e ferreiros e, a partir de 1593, ourivesarias.

Trata-se de uma ponte belíssima, diariamente atravessada por milhares de turistas e autóctones, com um charme muito próprio. Toda a sua envolvência é lindíssima, romântica.

 

Atesto, com algumas fotografias, o que atrás escrevi, sempre com a sensação de que digo pouco, tanto haveria para contar! Mas Florença deve ser visitada, pode ser que as minhas sugestões agucem o apetite...

 

Composição de fotos_Florença1.jpgComposição de fotos_Florença1a.jpgComposição de fotos_Florença1b.jpgComposição de fotos_Florença1c.jpg

 



publicado por numadeletra às 19:46 | Link do post | Comentar | Ver comentários (15) | Adicionar aos favoritos

Segunda-feira, 21.01.13

 

O Bairro Judeu tem um "charme" muito próprio, de tão harmonioso e cuidado.

As vestes dos Ortodoxos, todas pretas, são interessantes e contrastam com a envolvência beije dos muros, das escadas, das construções.

O tempo passa a correr, tantos são os pontos de interesse. Sentarmo-nos numa das esplanadas dos muitos cafés da zona, para além de ser óptimo para recuperar forças, é delicioso para o paladar e para a vista – os sentidos apuram-se.

 

A melhor forma de aqui entrar é também pela Porta de Jafa, atravessando o Bairro Arménio.

A Praça Hurda, sensivelmente no centro do Bairro, é ponto de encontro e partida para os diversos locais interessantes a visitar. Daqui se chega às principais sinagogas, ao Cardo (zona escavada e parcialmente construída), ao Muro da Tolerância, aos Museus,... ao Muro das Lamentações! A praça onde se chega a este Muro é uma espécie de Sinagoga a céu aberto, onde diariamente se juntam a orar muitos grupos de judeus (homens na parte grande da muralha e mulheres na secção ao lado, separada por uma parede e num espaço muito menor).

 

Daqui se avista, bem centrado, o grande Menorah (candelabro de sete braços), companhia de oração no Shabbath e em festivais de fé judaica.

 

O Muro das Lamentações é o que resta do muro de suporte do Templo do Monte, mandado construir por Herodes, o Grande. Trata-se de uma parede maciça, beije e lisa, feita de blocos enormes e é o local judaico mais sagrado.

 

O Bairro Judeu é, de longe, o melhor conservado e o mais organizado da Cidade Antiga.

 

Para os turistas é um local histórico interessante, para os judeus um centro de culto e espiritualidade.

 

Antes da conclusão deste último post sobre Israel, apenas uma referência ao imenso que há para descobrir na Cidade Moderna: óptimos hotéis, o Monte das Oliveiras com uma vista extraordinária sobre a muralha e a Cidade Velha, o Museu de Israel – riquíssimo -, o Museu Yad Vashem (um monumento em memória dos mais de seis milhões de judeus mortos no Holocausto Nazi), sinagogas, um bairro onde só vivem judeus ultra-ortodoxos, enfim!...

 

Fica a sugestão para quem aprecie viagens com sentido e História: nunca será uma aventura, para mim foi a concretização de um sonho, uma “escapadela” verdadeiramente empolgante e inesquecível.

 

Composição 1_Israel Parte 5.jpgComposição 2_Israel Parte 5.jpgComposição 3_Israel Parte 5.jpgComposição 4_Israel Parte 5.jpg

 Composição 5_Israel Parte 5.jpgComposição 6_Israel Parte 5.jpgComposição 7_Israel Parte 5.jpgComposição 8_Israel Parte 5.jpgComposição 9_Israel Parte 5.jpg

 



publicado por numadeletra às 19:23 | Link do post | Comentar | Ver comentários (21) | Adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 17.01.13

 

A Terra Santa é formada por Israel, Jordânia e a Península Egípcia do Sinai. Jerusalém é, sem dúvida, o símbolo mais importante deste conjunto.

Aqui convivem três religiões monoteístas: Cristianismo, Judaísmo e Islamismo, cada qual com características muito próprias.

 

É uma cidade extraordinariamente bela! Com a terra e as pedras de cor beije e com uma mistura enorme de estilos, fruto do passado e da passagem dos povos que ao longo dos séculos fizeram a sua história, transmite uma sensação inigualável, que dificilmente se encontra noutro lugar da Terra: Jerusalém devia ser ponto de visita obrigatório; é preciso lá estar para sentir.

 

Podemos dividi-la em Cidade Moderna, fora das Muralhas e Cidade Antiga, dentro das Muralhas e composta por 4 Bairros distintos: Cristão, Arménio, Muçulmano e Judeu.

 

O Bairro Arménio é o mais pequeno de todos e está a ser absorvido pela comunidade cristã. É uma das zonas mais tranquilas e calmas da Cidade Antiga.

Em contrapartida, o Bairro Muçulmano é o maior e o mais densamente povoado. Embora seja uma zona fascinante, está em decadência e aí se encontram as casas mais pobres da Cidade Antiga. A melhor forma de entrar neste Bairro é pela Porta de Damasco, a mais monumental da cidade. É também neste Bairro que fica a conhecida “Cúpula da Rocha”, o terceiro lugar mais sagrado para os muçulmanos, depois das cidades proféticas de Meca e Medina. Esta cúpula dourada, que se avista de quase todos os pontos da muralha, é encimada pelo símbolo do Islão “O Crescente”, que orienta a vida religiosa dos muçulmanos e tem ligações ao calendário lunar.

 

O Bairro Cristão é o que mais nos diz, pois é lá que se encontra a Igreja do Santo Sepulcro. A principal porta de entrada neste Bairro é a de Jafa.

É a zona mais visitada da Cidade Antiga e nela se encontra o local mais sagrado para todos os Cristãos: o Santo Sepulcro. As ruas próximas estão repletas de tendas e lojas onde os peregrinos compram recordações.

Apesar de muito movimentado, este Bairro tem um ambiente espiritual, sobretudo perto da Pedra da Unção – que comemora a unção e cobertura de Cristo após a sua morte – e no “Túmulo de Cristo”, onde uma fila interminável de gente pretende entrar. Dentro do monumento, uma pedra de mármore cobre a rocha na qual se acredita que o corpo de Cristo foi sepultado.

Estes dois espaços, próximos, fazem parte da grande “Igreja do Santo Sepulcro”. A quantidade de pessoas e a variedade de raças que constantemente circulam nesta Igreja, todos com imensa devoção e sentimento, fazem-nos sentir o peso daquele lugar no Cristianismo. Por aqui também circulam, paramentados, padres Católicos e Ortodoxos. A Cúpula Catholikon, que cobre a parte central da igreja cruzada, é actualmente usada para serviços Ortodoxos Gregos.

Ainda numa das extremidades da Igreja do Santo Sepulcro, há um grupo de edifícios habitado por uma comunidade de monges etíopes.

Apesar de imponente, a Igreja do Santo Sepulcro e todas as Capelas a ela ligadas são simples.

 

O Bairro Cristão é um local inesquecível… como inesquecível é também o Bairro Judeu, o mais curioso, que fica para uma segunda parte sobre Jerusalém… em breve!

 

Composição 1_Israel Parte 4.jpgComposição 2_Israel Parte 4.jpgComposição 3_Israel Parte 4.jpgComposição 4_Israel Parte 4.jpgComposição 5_Israel Parte 4.jpgComposição 6_Israel Parte 4.jpg



publicado por numadeletra às 18:43 | Link do post | Comentar | Ver comentários (10) | Adicionar aos favoritos

Sábado, 12.01.13

 

Com o sol sempre a acompanhar-nos, hoje “iremos” até ao Mar Morto, o ponto mais baixo da terra: 411 metros abaixo do nível do mar.

 

Sai-se de Tel-Aviv pela auto-estrada (tudo bem sinalizado com placas escritas em três idiomas – hebraico, árabe e inglês – e cerca de 55km percorridos há um corte à direita, que indica “Mar Morto”.

Depois desse corte, começa-se a descer, agora seguindo por uma estrada principal, bem alcatroada: entra-se no Deserto da Judeia. A paisagem muda radicalmente: há o céu azul e depois tudo é beige, da cor da areia. Assim permanecerá até chegarmos ao nosso destino.

De facto, o que se retém é a imensidão serena e clara do deserto, que é interrompida por alguns beduínos com os seus camelos que por vezes se avistam (bem coloridos) e depois as plantações de tamareiras, impecavelmente alinhadas.

 

Há ainda essa coisa fantástica que são as estufas, em pleno deserto, bem irrigadas de água trazida por enormes condutas. Fica-se espantado como é possível, do meio do nada, surgirem enormes extensões de areia lavrada e cultivada.

 

Mas a estrada continua a descer, com placas que indicam o zero (nível do mar) e depois menos 150m, menos 250m, até começarmos a avistar essa massa azul enorme, numa linha baixíssima da costa, chamada Mar Morto. Na realidade, não se trata de um mar, mas de um lago com a água tão rica em minerais, que a torna 26% sólida (contém brómio, iodo e magnésio). É por isso que não é possível ir ao fundo, as pessoas são aconselhadas a deitarem-se de costas, porque flutuam.

As margens estão carregadas de sal e as lamas envolventes têm grandes virtudes terapêuticas. É também por isso que na zona existem várias unidades hoteleiras com óptimos spas.

A partir destas águas fabricam-se bons produtos de beleza para o rosto e corpo.

 

É hora de regressar, Israel tem muito mais a mostrar, não se pode perder tempo.

Na volta, a meio caminho para Jerusalém, 2 controles policiais, várias viaturas da ONU e depois um corte para Ramallah: isso mesmo, ali ao lado fica a Palestina.

Mas nós prosseguimos, o objectivo é chegar à cidade Santa. Será sobre ela o próximo post, provavelmente o mais sentido, tantas são as emoções à flor da pele.

 

Composição Fotos 1.jpgComposição Fotos 2.jpgComposição Fotos 3.jpgComposição Fotos 4.jpgComposição Fotos 5.jpg

 



publicado por numadeletra às 11:35 | Link do post | Comentar | Ver comentários (9) | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 08.01.13

 

Saindo de Old Jaffa a sul de Tel-Aviv em direcção ao norte, seguindo sempre a linha do mar e as praias, passa-se nas enormes Torres Ópera cor-de-rosa, construídas em 1990 e chega-se ao moderno porto de Tel-Aviv.

Entre outras atracções, há um mercado diário de produtos israelitas, onde os cheiros intensos das especiarias se misturam com o aroma das frutas e legumes. Aí se vendem também vinhos, queijos, pães de muitas variedades, chocolates, sabonetes, peixe e carne, tudo produzido e confeccionado em Israel.

É também no porto que se encontram os melhores restaurantes de peixe e marisco da cidade.

 

Tel-Aviv representa a face moderna do Estado Judaico. É onde fica a sede do Governo, assim como as Embaixadas dos países com os quais Israel mantém relações diplomáticas.

 

Uma cidade com avenidas largas, repleta de museus, galerias e salas de espectáculos. Porque é impossível falar de tudo, destacarei o Museu de Arte de Tel-Aviv, um dos mais importantes da cidade. Situado num complexo que inclui a Biblioteca Municipal Beit Ariela, o Teatro Camerie, o edifício da Ópera, tudo complementado por um jardim com esculturas de consagrados artistas como Henri Moore.

 

A galeria de arte Givon, bem conhecida na cidade, expõe trabalhos de nomes consagrados da actualidade e inclui um espaço chamado “Sala do Projecto de Cinema Net”, onde se expõem novas tecnologias media, animação computorizada, vídeos digitais, robóticos e interactivos.

Muito interessante e “à frente”, esta galeria, de certa maneira, representa um pouco a tecnologia avançadíssima judaica.

 

A norte do centro, fica uma elegante área residencial de arquitectura estilo Bauhaus, assim como a Casa de Ben Gurion, antiga residência do 1º primeiro-ministro de Israel. Foi David Ben Gurion que a 14 de Maio de 1948 declarou o nascimento do Estado de Israel. O principal aeroporto do país tem também o seu nome.

 

Actualmente Neve Tzedek é o principal bairro artístico construído na nova cidade de Tel-Aviv. Um quarteirão com uma atmosfera especial: as ruas são bordejadas de canteiros floridos e óptimas para andar a pé.

Ouvem-se muitos idiomas, aqui passeiam estrangeiros amantes de arte.

Neve Tzedek significa “oásis de justiça”. É aí que vivem actualmente artistas e escritores. Há lindíssimos restaurantes, cafés, livrarias, lojas de designers jovens e consagrados, galerias de arte e joalharias.

 

O Centro Cultural de Arte e Dança Suzanne Dellal fica também localizado neste bairro onde as casas, recentemente restauradas, têm uma arquitectura bonita.

 

Estamos quase a deixar Tel-Aviv (“Colina da Primavera”), embora muito tenha ficado por dizer: há que ir para ver e crer.

Próxima paragem, Mar Morto.

 

Israel - Parte 2_Fotos 1.jpgIsrael - Parte 2_Fotos 2.jpgIsrael - Parte 2_Fotos 3.jpg

Israel - Parte 2_Fotos 4.jpgIsrael - Parte 2_Fotos 5.jpg

 



publicado por numadeletra às 22:38 | Link do post | Comentar | Ver comentários (11) | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 04.01.13

 

De volta à rotina antes de dissertar sobre a minha leitura actual, aqui fica um pequeno registo do que foi uma viagem verdadeiramente inesquecível.

 

Israel é um pequeno país, fica numa faixa de território hostil, grande parte do seu solo é árido (tem grandes extensões de deserto) mas tem a agricultura mais avançada do mundo. A nível de tecnologia, também está no topo das grandes nações. Depois há toda a costa banhada pelo Mar Mediterrâneo, magnífica, com praias de areia branca, uma luminosidade a perder de vista. O Mediterrâneo é uma das fronteiras, separa Israel da Europa (ou liga!), fonte inesgotável de riqueza (a água, bem precioso, o peixe, o sal, as algas,... tudo aproveitado!).

 

A nossa viagem começou em Tel-Aviv, a capital, muito cosmopolita , cheia de turistas. Com o hotel sobre a praia, sabia bem tomar o pequeno-almoço com o mar ali ao lado: pessoas a nadar, outras a fazerem jogging, outras ainda a passearem os seus cães, os skaters, os turistas a aproveitar o sol. Durante os dias que lá estivemos a temperatura ía dos 13/14ºC à noite, até aos 20º/21ºC durante o dia. Sem vento, era um clima estupendo.

 

O trânsito de Tel-Aviv é intenso e algo caótico. Os israelitas chamam-lhe a "Small Apple", orgulhosamente, por ter vida 24 sobre 24 horas. É, de facto, uma cidade que não dorme.

 

A nossa primeira passagem foi na cidade velha "Old Jaffa". Vaguear pelas entranhas deste local que desemboca no mar, é perder a noção do tempo, tantas são as preciosidades que abarca, os pontos interessantes a ver. Muitas galerias de design, ao ar livre a venda de sumo de romã ou laranja, feito na hora - ambos estupendos!

 

Ficam as fotografias que atestam o que atrás foi dito e a promessa de proximamente sair outro post, ainda de Tel-Aviv.

Oxalá gostem!

 

1-Puzzle.jpg

 2-Puzzle.jpg

3-Puzzle.jpg



publicado por numadeletra às 23:16 | Link do post | Comentar | Ver comentários (12) | Adicionar aos favoritos


mais sobre mim
numadeletra@gmail.com
numadeletra@sapo.pt
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Veneza

Florença - Parte 4

Florença - Parte 3

Florença - Parte 2

Florença - Parte 1

Israel – Parte 5

Israel - Parte 4

Israel - Parte 3

Israel - Parte 2

Israel - Parte 1

Maio 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Estiveram Numa de Letra...
simple hit counter
Tampouco gostei. Achei enfadonho e foi com dificu...
Mesmo sem ser um fã de Murakami, a verdade é que e...
Parabéns :|
O livro nunca esteve proibido em Portugal.
Gostaríamos de oferecer gratuitamente 60€ em publi...
Que frase extraordinária, adorei!Um bom ano para t...
Feliz Natal <:)}
Feliz Natal!um beijinhoGábi
Adivinhei o "segredo" logo no início...
Adorava ler este livro em Português mas não estou ...
tags

1q84

2012

2013

2014

2015

2016

39 em 1

55ª exposição internacional de arte

acordo ortográfico

aeroporto

afonso cruz

agradecimento

animais

aniversário

ano novo

antónio

antónio alçada baptista

arte

as leituras dos outros

barcelona

bienal de veneza

boas festas

bom fim-de-semana

bruxelas

caricatura

caricaturista

cascais

catarina ou o sabor da maçã

cinema

coldplay

concertos

david bowie

debaixo de algum céu

dia do animal

dia mundial da criança

dia mundial da música

dia mundial do livro

estádio do dragão

fantasporto

feira do livro

feira do livro do porto

férias

florença

foz do douro

funchal

gabriel garcía márquez

galerias de arte

haruki murakami

inaugurações simultâneas

israel

itália

jorge luis borges

josé eduardo agualusa

josé saramago

julião sarmento

la biennale di venezia

lisboa

livraria galeria papa-livros

livraria galileu

livrarias

livros

londres

luis sepúlveda

madeon

mensagens

metro

miguel torga

murais

museu nacional soares dos reis

museu soares dos reis

música

naftali bezem

natal

noites brancas

nuno camarneiro

ondjaki

os anos

os transparentes

paris

pavilhão grã-bretanha

philip roth

poesia

porto

primavera

projecto arte de portas abertas

provérbios

quantas madrugadas tem a noite

quarteirão miguel bombarda

raymond carver

rua

s. joão

serralves

soho

tel aviv museum of art

teolinda gersão

the national gallery

truman capote

valter hugo mãe

veneza

viagens

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds