Segunda-feira, 31.08.15

 9789722025775.jpg 

De volta ao trabalho e à rotina, ao blog e também a Philip Roth, agora com “A Mancha Humana”, a minha terceira leitura do autor. Livro extraordinário, este.

Apesar dos dois romances que li anteriormente ("A Humilhação" e "Pastoral Americana") terem histórias completamente distintas, neste são visíveis algumas peculiaridades no estilo de escrita de Roth. Por exemplo, a abordagem de assuntos sérios e polémicos que, em “A Mancha Humana”, é o racismo; a periclitância das personagens - hoje herói e amanhã traste -; finalmente as subtis alusões ao Judaísmo (naturalíssimas, não fosse o próprio escritor judeu), entre outras.

 

Estamos em 1998, a América é abalada pelo "escândalo Lewinsky".

Coleman Silk, o personagem principal, tem 71 anos e é um professor catedrático reformado. Apesar de toda a vida, quer profissional quer socialmente, ter sido um homem de sucesso, tem o final de carreira abalado pelo caso “spooks”. Uma palavra dita por Coleman numa aula acabou em denúncia de racismo e desencadeou uma catadupa de acontecimentos que o aniquilaram literalmente.

 

Toda a gente tem segredos mas como será viver omitindo algo relacionado com a essência do ser humano? É possível representar essa personagem no dia-a-dia? Assim viveu Coleman, escondendo de todos, mesmo dos que lhe eram muito próximo, um segredo próprio, que carregou toda a vida.

 

“A Mancha Humana” é um romance arrebatador. Envolvente, altamente viciante, com tantas voltas, reviravoltas e revelações, que às vezes até lembra um policial. Faz jus aos prémios que lhe foram atribuídos: "The Man Booker International Prize 2011", “Prémio Médicis 2002", "Prémio Britain's W.H. Smith", "American PEN/Faulkner", entre outros.

Obviamente, recomendo!

 

Excerto.jpg



publicado por numadeletra às 20:50 | Link do post | Comentar | Ver comentários (9) | Adicionar aos favoritos

Domingo, 27.10.13

 

 

Na altura da atribuição do Prémio Nobel da Literatura 2013, fui reler esse grande escritor que nos últimos anos é quase sempre apontado como um candidato ao prémio, Philip Roth. Ainda não foi desta que venceu, o Nobel foi atribuído a Alice Munro, uma Canadiense octogenária, mestre do Conto, vencedora do Man Booker International Prize, em 2009.

Também Philip Roth foi galardoado com esse prémio, em 2011. Autor muito premiado na América, com "Pastoral Americana" venceu o Prémio Pulitzer, em 1997. É um livro que aborda sentimentos contraditórios sobre a América, rico e completíssimo.


Seymour Levov, por todos conhecido como o “Sueco” é judeu e, quando jovem, era a "estrela" do Liceu. Todos, sem excepção, nutriam por ele uma grande simpatia e admiração, idolatrando-o por ser um ás do Desporto, destacando-se no Basebol. Mas para o Sueco o importante e objectivo principal na vida sempre foi passar despercebido, manter a harmonia à sua volta, ter um lar, casar-se e ser feliz. Assim, apaixona-se e vem a casar-se com a Miss New Jersey, vai viver para a casa dos seus sonhos e tem uma filha. Tudo parecia encaixar-se de forma perfeita até ao dia em que vê partir a filha, Merry, de 16 anos, que sai de casa para nunca mais voltar.

 

Fui percorrendo as páginas deste livro sempre com grande deleite, muito na expectativa de descobrir os motivos que levam uma adolescente a tornar-se bombista, assassinando dessa forma 4 pessoas. Uma jovem que aparentemente tudo tinha para não ser assim, pois era oriunda de uma família que a amava e lhe procurou dar uma educação exemplar.

Coloquei-me no lugar de Merry e não consegui encontrar motivos para tamanha rebeldia e ódio: teria sido a gaguez a causa de tanta revolta? As imagens da auto-imolação do monge budista no Vietname que aos 11 anos sideraram Merry? As evasivas do avô paterno contra alguns dirigentes Americanos? A guerra do Vietname pela qual Merry sempre foi contra? Quais seriam os verdadeiros motivos que a moviam?

Não, nenhuma destas causas me pareceram suficientes para levarem alguém a ser bombista, a matar sem remorsos, a fugir da família sem deixar rasto, trocando o conforto e a protecção por uma vida de pária, com tudo o que isso implica, até mesmo ser violada. A odiar a sua pátria, a América. Verdadeiramente o antídoto do sonho do pai.

 

Este é o âmago da história mas há mais, muitas questões pertinentes são levantadas: a guerra, o Judaismo, o Catolicismo, o conflito entre religiões e gerações, o orgulho ou a vergonha de ser Americano, entre tantas outras. Tudo muito bem escrito...

 

Recomendo Philip Roth e “Pastoral Americana”, sem qualquer reticência. É um autor que quero continuar a ler mais e mais.

 


publicado por numadeletra às 18:46 | Link do post | Comentar | Ver comentários (8) | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 01.05.13

 

 

Apesar da curiosidade que há muito tinha em conhecer a escrita de Philip Roth, fui protelando e só agora entrei no seu mundo literário. Estreei-me com “A Humilhação”, o trigésimo livro do autor.

 

As poucas folhas e a escrita aparentemente acessível, poderiam à primeira vista sugerir tratar-se de uma leitura simples, quase básica, mas não. Na realidade, a escrita e a história estão recheadas de pormenores inteligentes, subtis e alguma psicanálise.

Roth elaborou um enredo envolvente e imprevisível, cheio de voltas e reviravoltas, deixando o leitor em constante meditação. Vários temas sérios e actuais são referidos: o suicídio, a pedofilia, a homossexualidade, por exemplo. E sexo... descrições explícitas que fazem corar o menos puritano!

 

O livro começa com o declínio do protagonista, o conceituado actor de Teatro e Cinema chamado Simon Axler, de 65 anos. Com um currículo invejável, de repente perde tudo: a confiança na arte de representar, a magia, o talento, a vontade de viver e até a própria mulher o abandona. Não conto outros pormenores, pois correria o risco de revelar demasiado… e foi tão empolgante descobrir a história página a página!

 

Sendo “A Humilhação”, o único título deste autor norte-americano de ascendência judaica que li até ao momento, talvez seja prematuro fazer uma associação de estilo e estrutura de escrita. Contudo, atrever-me-ia a coloca-lo entre Truman Capote e Cormac McCarthy.

 

Ficou uma vontade enorme de voltar a Philip Roth, na expectativa de descobrir melhor a sua escrita. Curiosa e coincidentemente, enquanto lia “A Humilhação”, vi uma entrevista que concedeu a um dos nossos canais televisivos e também aqui fiquei fascinada pela simplicidade e naturalidade com que se expôs, desvendando alguns dos enigmas dos seus livros mais marcantes.

Verdadeiramente um nome a reter, um premiado autor a reler.

 

Excerto.jpg

  



publicado por numadeletra às 14:45 | Link do post | Comentar | Ver comentários (27) | Adicionar aos favoritos


mais sobre mim
[email protected]
[email protected]
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


"A Mancha Humana", de Phi...

“Pastoral Americana”, de ...

"A Humilhação", de Philip...

Maio 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Estiveram Numa de Letra...
simple hit counter
Tampouco gostei. Achei enfadonho e foi com dificu...
Mesmo sem ser um fã de Murakami, a verdade é que e...
Parabéns :|
O livro nunca esteve proibido em Portugal.
Gostaríamos de oferecer gratuitamente 60€ em publi...
Que frase extraordinária, adorei!Um bom ano para t...
Feliz Natal <:)}
Feliz Natal!um beijinhoGábi
Adivinhei o "segredo" logo no início...
Adorava ler este livro em Português mas não estou ...
tags

1q84

2012

2013

2014

2015

2016

39 em 1

55ª exposição internacional de arte

acordo ortográfico

aeroporto

afonso cruz

agradecimento

animais

aniversário

ano novo

antónio

antónio alçada baptista

arte

as leituras dos outros

barcelona

bienal de veneza

boas festas

bom fim-de-semana

bruxelas

caricatura

caricaturista

cascais

catarina ou o sabor da maçã

cinema

coldplay

concertos

david bowie

debaixo de algum céu

dia do animal

dia mundial da criança

dia mundial da música

dia mundial do livro

estádio do dragão

fantasporto

feira do livro

feira do livro do porto

férias

florença

foz do douro

funchal

gabriel garcía márquez

galerias de arte

haruki murakami

inaugurações simultâneas

israel

itália

jorge luis borges

josé eduardo agualusa

josé saramago

julião sarmento

la biennale di venezia

lisboa

livraria galeria papa-livros

livraria galileu

livrarias

livros

londres

luis sepúlveda

madeon

mensagens

metro

miguel torga

murais

museu nacional soares dos reis

museu soares dos reis

música

naftali bezem

natal

noites brancas

nuno camarneiro

ondjaki

os anos

os transparentes

paris

pavilhão grã-bretanha

philip roth

poesia

porto

primavera

projecto arte de portas abertas

provérbios

quantas madrugadas tem a noite

quarteirão miguel bombarda

raymond carver

rua

s. joão

serralves

soho

tel aviv museum of art

teolinda gersão

the national gallery

truman capote

valter hugo mãe

veneza

viagens

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds