Quinta-feira, 14.06.12

 

Quando li esta passagem de “Os Anos”, lembrei-me de “o apocalipse dos trabalhadores”. Não que a escrita e a narrativa tenham algo a ver... Não, de todo, mas porque os livros têm o poder de deixar boas recordações e, de repente, associamos episódios de escritas que, à partida, são completamente distintas.

 

Há personagens marcantes. Por exemplo: em Crosby, de Virginia woolf, vi maria da graça, de Valter Hugo Mãe.

 

Excerto de Os Anos - Virginia Woolf.jpgo apocalipse dos trabalhadores”, de Valter Hugo

“Os Anos”, de Virginia Woolf                                   “o apocalipse dos trabalhadores”, de Valter Hugo Mãe

 

Interessante, não?

 

Salvaguardando, claro!, as devidas distâncias temporais e o "peso" de cada um dos escritores.

 



publicado por numadeletra às 17:40 | Link do post | Comentar | Ver comentários (5) | Adicionar aos favoritos

Segunda-feira, 11.06.12

 

Os Anos_Virginia Woolf.jpg

  

- Boa tarde, tem o “Mrs. Dalloway”, de Virginia Woolf?

- “Da autora só tenho este” – e mostrou-me “Os Anos”.

- Esse, já tenho. Ando a lê-lo.

- “O que acha?... Confuso, não é?”, disse com um sorriso um tanto ou quanto inigmático.

- Estou a adorar, respondi.

- “Humm, li-o com muitas interrupções, se calhar foi isso...”

- Pois, é um livro que requer concentração e uma certa regularidade na leitura, caso contrário é fácil perder o fio à meada.

 

Este foi o diálogo que tive há dias com um livreiro da bancada da Presença, na Feira do Livro do Porto.

 

De facto, “Os Anos”, de Virginia Woolf, não é um livro fácil e sai ligeiramente do âmbito a que estamos habituados a ler nos romances tradicionais, mesmo nos clássicos, que tantas vezes surpreendem pela criatividade.

Os capítulos são compartimentados em anos: 1880, 1891, 1907, 1908, 1910, 1911, 1913, 1914, 1917, 1918, TEMPO PRESENTE. Embora desconhecendo a correspondência do tal “Tempo Presente” a que Virginia Woolf se refere, pela idade das personagens deduz-se que rondará o final da década de 30, início da de 40.

Ora, nestas quase quatrocentas páginas, temos um jorro de acontecimentos: num capítulo, conhecemos personagens, no outro, elas já morreram e destacam-se as gerações seguintes; passamos de personagens em tempos de criança para a idade adulta e velhice. O ritmo é aceleradíssimo, ou não houvesse “saltos” de décadas em alguns capítulos seguidos, como é o caso dos dois primeiros (complicado, de facto).

Na história, os maiores detalhes que a escritora oferece estão nos cenários, nas envolvências da narrativa e descreve-os de uma forma quase poética, um encanto. Estas descrições, ao contrário das de outros livros, não são nada monótonas mas sim a alma do romance.

Quanto às personagens e às suas histórias, Virgina Woolf dá apenas algumas pistas ao leitor, não aprofundando nem oferecendo informação em demasia, como se de uma receita se tratasse. Quantidades “qb”, já que bastam como fio condutor do enredo para conhecer as personagens e ligações entre elas.

A forma como a escritora expõe, é de mestre. Uma mera frase de um (poder-se-ia pensar) banal diálogo entre duas personagens transmite uma mensagem chave, fundamental para perceber a lacuna de tempo que não foi narrada ou o pormenor que não foi explicado.

 

Uma leitura que requer atenção e uma certa disciplina, compromissos que compensam bem, face ao resultado que esta escrita de génio nos proporciona.

Imagem Artigo_Os Anos  Virginia Woolf.jpg



publicado por numadeletra às 18:34 | Link do post | Comentar | Ver comentários (10) | Adicionar aos favoritos


mais sobre mim
[email protected]
[email protected]
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Livros que fazem lembrar ...

“Os Anos”, de Virginia Wo...

Maio 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Estiveram Numa de Letra...
simple hit counter
Parabéns pelo 5º aniversário :)Deste autor, ainda ...
Tampouco gostei. Achei enfadonho e foi com dificu...
Mesmo sem ser um fã de Murakami, a verdade é que e...
Parabéns :|
O livro nunca esteve proibido em Portugal.
Gostaríamos de oferecer gratuitamente 60€ em publi...
Que frase extraordinária, adorei!Um bom ano para t...
Feliz Natal <:)}
Feliz Natal!um beijinhoGábi
Adivinhei o "segredo" logo no início...
tags

1q84

2012

2013

2014

2015

2016

39 em 1

55ª exposição internacional de arte

acordo ortográfico

aeroporto

afonso cruz

agradecimento

animais

aniversário

ano novo

antónio

antónio alçada baptista

arte

as leituras dos outros

barcelona

bienal de veneza

boas festas

bom fim-de-semana

bruxelas

caricatura

caricaturista

cascais

catarina ou o sabor da maçã

cinema

coldplay

concertos

david bowie

debaixo de algum céu

dia do animal

dia mundial da criança

dia mundial da música

dia mundial do livro

estádio do dragão

fantasporto

feira do livro

feira do livro do porto

férias

florença

foz do douro

funchal

gabriel garcía márquez

galerias de arte

haruki murakami

inaugurações simultâneas

israel

itália

jorge luis borges

josé eduardo agualusa

josé saramago

julião sarmento

la biennale di venezia

lisboa

livraria galeria papa-livros

livraria galileu

livrarias

livros

londres

luis sepúlveda

madeon

mensagens

metro

miguel torga

murais

museu nacional soares dos reis

museu soares dos reis

música

naftali bezem

natal

noites brancas

nuno camarneiro

ondjaki

os anos

os transparentes

paris

pavilhão grã-bretanha

philip roth

poesia

porto

primavera

projecto arte de portas abertas

provérbios

quantas madrugadas tem a noite

quarteirão miguel bombarda

raymond carver

rua

s. joão

serralves

soho

tel aviv museum of art

teolinda gersão

the national gallery

truman capote

valter hugo mãe

veneza

viagens

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds