Domingo, 02.06.13

 

A Carne de Deus_capa.jpg

 

Recentemente tive o privilégio de conhecer o escritor Afonso Cruz. Além de concretizar a vontade que ficou desde que o li pela primeira vez, pude saber de factos pessoais que, obviamente, não vêem mencionados nos livros. Partilharei alguns neste post… outros, quem sabe, num futuro artigo, quando a ele regressar. Uma coisa é certa: mantenho uma grande vontade de continuar a descobrir a bibliografia deste autor e mais livros seus aguardam na estante (agora quase todos autografados).

 

“A Carne de Deus” foi o primeiro romance editado de Afonso Cruz embora o primeiro a ser escrito tenha sido “Enciclopédia da História Universal”. Afonso Cruz apresentou-o à Bertrand que colocou algumas reservas em relação ao sucesso comercial, além do facto de já haver um título editado, quase igual: “Inciclopédia da História Universal”. Foi-lhe então sugerido que escrevesse um romance e assim surgiu “A Carne de Deus”, uma história que o escritor há muito tinha na cabeça.

 

Uma vez mais Afonso Cruz confirma o estilo de narrativa que tanto me agradou em “Jesus Cristo Bebia Cerveja”, assim como a forma hilariante e fácil de expor as ideias, cativando o leitor. Mas aqui a história é bem diferente: trata-se de um enredo cheio de peripécias e muito suspense a fazer lembrar os livros de Dan Brown.

O tema central é a Maçonaria.

A trama começa com o brutal assassinato de Felicijonas Salnius - um dos maçons fundadores da “Perséfone” uma Loja selvagem - com um esquadro metálico enterrado no crânio. Este homicídio, carregado de simbolismo, deixa os restantes fundadores desta Loja Maçónica de tal maneira em pânico que, entre eles, surge a hipótese de serem revelados segredos, para evitar mais mortes.

Tudo escrito com humor!

Não poderiam faltar as personagens engraçadíssimas, com nomes estranhos. O livro tem dezenas: Marin Grigore, Daim Kuçuk, professor Miroiu, Arkadiusz Pilatowski… nomes bizarros que Afonso Cruz foi buscar a um jogo de consola sobre contratações de futebol, quando trabalhava numa Agência Publicitária.

 

“A Carne de Deus” é também o nome de um mítico cogumelo alucinogénio ainda hoje utilizado no folclore dos curandeiros do México e da Guatemala. Esse e outros “enteógenos” (o mesmo que alucinogénios) são o cerne deste livro mas, para saberem mais sobre a ligação que têm com a história, vão ter de a ler… deixo um excerto:

 

 excerto.jpg

 



publicado por numadeletra às 21:12 | Link do post | Comentar | Ver comentários (8) | Adicionar aos favoritos

Sábado, 26.01.13
 

 Afonso Cruz - JCbc.jpg

Há quem seleccione os livros por épocas e estações do ano: o livro xis é bom para a praia, o ípsilon para ler à lareira - a blogosfera está repleta de teorias destas.

As minhas escolhas mantêm-se mais ou menos coerentes ao longo do ano: procuro ser ecléctica, ler livros de autores que me agradem ainda que, claro está, os meus estados de espírito e as últimas leituras tenham influência na escolha.

Posso dizer que o último título veio na altura certa... perfeito!

Depois da leitura sombria e pesada de “Em Queda Livre”, do mestre Golding, decidi que a próxima haveria de ser mais optimista, menos opressiva. Isso e a curiosidade pelo autor Afonso Cruz tornaram fácil a escolha de “Jesus Cristo bebia cerveja”.

 

Com capítulos curtos e uma escrita muito própria, acessivelmente empolgante - quase naïf sem cair no básico (como poucos conseguem) -, em “Jesus Cristo bebia cerveja” ficamos a conhecer Rosa (a personagem principal), a sua avó Antónia (que queria ir a Jerusalém), o professor Borja (um erudito que ninguém queria ouvir), Miss Whittemore (a inglesa que comprou a aldeia alentejana), o pastor Ari, para além de outras personagens peculiares, comicamente cativantes.

A narrativa desenrola-se no Alentejo, aquele das casas pintadas de branco, o Alentejo da terra seca, dos montes, das oliveiras, das gentes com muitas histórias de algibeira.

O cerne do romance é precisamente o desejo da Avó Antónia querer ir a Jerusalém e da neta, com a cumplicidade do Professor Borja, engendrar uma forma de preparar, no Alentejo, uma falsa Terra Santa para lhe satisfazer esse desejo.

 

Tantas vezes, olhos postos nas páginas do livro, dei por mim a rir à gargalhada. Contudo, o final surpreendeu-me com um engolir em seco quase a rasar a comoção.

 “Jesus Cristo bebia cerveja” acompanhou-me durante a época natalícia, na minha viagem de sonho à Terra Santa e alguns dias após o regresso. Quando lhe peguei, pouco ou nada sabia sobre o conteúdo e desconhecia a parte relacionada com Jerusalém. Daí a boa surpresa, o timing perfeito... (ele há coincidências!).

 

Nascido em 1971, Afonso Cruz é escritor, músico, cineasta e ilustrador. Tem um currículo “invejável” que inclui, entre tantos outros sucessos,  8 livros publicados, vários prémios entre os quais o da União Europeia para a Literatura, ilustrações em revistas, capas de livros, publicidade, etc..

“A Morte Não Ouve o Pianista”, o pequeno livro de westerns que é o favorito de Rosa e tantas vezes mencionado na história de “Jesus Cristo bebia cerveja” foi escrito e ilustrado por Afonso Cruz. Uma ideia muito original que comprova a versatilidade do autor.

 

A Numa de Letra gostou tanto que foi a correr comprar “A Boneca Kokoscha”, só para ter o prazer de ver na estante um livro de Afonso Cruz novinho em folha, à espera de ser lido.

 
 


publicado por numadeletra às 17:17 | Link do post | Comentar | Ver comentários (18) | Adicionar aos favoritos


mais sobre mim
[email protected]
[email protected]
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


“A Carne de Deus”, de Afo...

"Jesus Cristo bebia cerve...

Maio 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Estiveram Numa de Letra...
simple hit counter
Parabéns pelo 5º aniversário :)Deste autor, ainda ...
Tampouco gostei. Achei enfadonho e foi com dificu...
Mesmo sem ser um fã de Murakami, a verdade é que e...
Parabéns :|
O livro nunca esteve proibido em Portugal.
Gostaríamos de oferecer gratuitamente 60€ em publi...
Que frase extraordinária, adorei!Um bom ano para t...
Feliz Natal <:)}
Feliz Natal!um beijinhoGábi
Adivinhei o "segredo" logo no início...
tags

1q84

2012

2013

2014

2015

2016

39 em 1

55ª exposição internacional de arte

acordo ortográfico

aeroporto

afonso cruz

agradecimento

animais

aniversário

ano novo

antónio

antónio alçada baptista

arte

as leituras dos outros

barcelona

bienal de veneza

boas festas

bom fim-de-semana

bruxelas

caricatura

caricaturista

cascais

catarina ou o sabor da maçã

cinema

coldplay

concertos

david bowie

debaixo de algum céu

dia do animal

dia mundial da criança

dia mundial da música

dia mundial do livro

estádio do dragão

fantasporto

feira do livro

feira do livro do porto

férias

florença

foz do douro

funchal

gabriel garcía márquez

galerias de arte

haruki murakami

inaugurações simultâneas

israel

itália

jorge luis borges

josé eduardo agualusa

josé saramago

julião sarmento

la biennale di venezia

lisboa

livraria galeria papa-livros

livraria galileu

livrarias

livros

londres

luis sepúlveda

madeon

mensagens

metro

miguel torga

murais

museu nacional soares dos reis

museu soares dos reis

música

naftali bezem

natal

noites brancas

nuno camarneiro

ondjaki

os anos

os transparentes

paris

pavilhão grã-bretanha

philip roth

poesia

porto

primavera

projecto arte de portas abertas

provérbios

quantas madrugadas tem a noite

quarteirão miguel bombarda

raymond carver

rua

s. joão

serralves

soho

tel aviv museum of art

teolinda gersão

the national gallery

truman capote

valter hugo mãe

veneza

viagens

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds