Quarta-feira, 09.07.14

 

 

Passaram quase dois anos desde que terminei o 2º volume da trilogia “1Q84” e muitos pormenores da história já estavam esquecidos. No entanto, durante a leitura do Livro 3, facilmente relembrei cada detalhe importante dos livros anteriores, porque sem dúvida Murakami teve esse propósito. 

 

No livro 2 achei que o enredo evoluiu bastante, ao contrário deste 3º e último volume com várias passagens que considero repetidas logo, desnecessárias. Em contrapartida, há uma parte interessantíssima quando cada personagem descreve o seu ponto de vista face a uma situação comum a todos eles (fez-me lembrar “A Insustentável Leveza do Ser”, de Milan Kundera).

Em nenhum momento do livro me aborreci, ler Murakami é sempre um prazer. 

 

Neste último volume há uma nova personagem a intercalar os capítulos dedicados a Aomane e a Tengo, personagens que acompanham a trilogia. É Ushikawa, um homem invulgar e enigmático que acrescenta algum mistério à trama. 

 

O enredo centra-se em dois lados opositores: a Vanguarda (uma espécie de seita religiosa com hierarquia, regras e muito secretismo) e uma frente liderada por uma senhora milionária que apoia e protege mulheres vítimas de violência. Passa-se num sítio paralelo à realidade do ano 1984, chamado 1Q84, onde existem duas luas, um Povo Pequeno que constrói crisálidas de ar, uma e uma nina que representam a consciência e o alter-ego, entre outros traços sui-generis característicos da escrita única de Murakami.

O que liga tudo isto é uma história de amor. Na contracapa deste terceiro livro há um comentário do jornal alemão “Die Literarische Welt” que o descreve como ”Um verdadeiro Romeu e Julieta dos nossos tempos”. A verdade é que tal descrição começa a fazer mais sentido nos 3 últimos capítulos do romance.

 

Ainda que prefira o Haruki Murakami de “Kafka à Beira-Mar”, de “Norwegian Wood” e de “Crónica do Pássaro de Corda”, esta empreitada que me levou 3 anos, foi uma boa experiência.

Entretanto este japonês do qual sou fã, já publicou mais 2 livros, o que muito me agrada.

 

 



publicado por numadeletra às 19:54 | Link do post | Comentar | Ver comentários (14) | Adicionar aos favoritos

Domingo, 19.08.12

 

1q84volume2.jpg

 

Pensar na segunda parte de uma trilogia, sugere-me “marcar passo”. Talvez esta minha ideia pré-concebida se tenha formado com base na 7ª Arte, onde por diversas vezes senti que os primeiros e terceiros capítulos trouxeram algo de realmente interessante, comparativamente com os segundos, que quase podiam ser omitidos.

 

O volume 2 de “1Q84” não se enquadra neste grupo. Aqui são dadas a conhecer as respostas a grande parte dos mistérios levantados no primeiro livro. Em compensação, surgem mais enigmas.

A história avança e, mesmo para quem tenha lido o primeiro livro meses antes e já não o recorde com rigor, – foi o meu caso – no segundo o importante é referido de forma natural, nada forçada, e o leitor facilmente se lembra do que já havia lido. Simples, posso assegurar e muito, mas muito bem conseguido.

 

No primeiro livro, as vidas das personagens principais Aomame e Tengo (contadas em capítulos alternados) pareciam nada ter a ver uma com a outra e só no final revelaram alguns pontos comuns, embora muito tenuemente. No 2º volume estão intrínseca e assumidamente ligadas.

 

A continuação da narrativa do livro anterior, ganha agora contornos de uma história de amor, com o que de mais invulgar essa associação de palavras nos traz à imaginação e com o que de menos banal se pode pretender de uma história de amor. Afinal é Murakami quem conta a história, a banalidade não é característica sua.

 

A propósito do livro “A Crisálida de Ar”, em torno do qual gira a trama dos dois volumes de “1Q84”, a maneira como este enorme sucesso de vendas é descrito neste romance, poderia facilmente aplicar-se ao próprio “1Q84”.

Aqui está um excerto do volume 2, uma pequenina descrição sobre “A Crisálida de Ar”, que encaixa que nem uma luva no que é o vasto mundo da escrita e obra de Murakami:


 

Ainda que não considere “1Q84” o que de melhor o autor escreveu, Murakami continua a surpreender e a encantar.

 



publicado por numadeletra às 19:24 | Link do post | Comentar | Ver comentários (13) | Adicionar aos favoritos

Sexta-feira, 11.05.12
 

1Q84 Vol. 1, de Haruki Murakami.jpg

 Pois é, na inauguração do “Numa de Letra” publiquei um video sobre o “1Q84” de Haruki Murakam, dei a entender que gostava mas não me alonguei... E, afinal, vocês não me conhecem (para já, pelo menos) nem “levantei o véu” naquela parte do blog intitulada “Ver Perfil”... Com o evoluir do blog vão-me conhecer melhor, prometo.

Para já, da trilogia “1Q84”, li o primeiro Livro. Foi entre Janeiro e Fevereiro deste ano e na Páscoa fui contemplada, pela madrinha, com o Livro 2.

Esta introdução em “1Q84” deixou-me com muita vontade de continuar – e acreditem que tenho de controlar os inúmeros impulsos que me assaltam, para não ir a correr pegar no Livro 2 – mas ainda não chegou a altura certa. Isto pode soar um pouco complexo ou até paradoxal mas o facto de ter sempre um livro de Haruki Murakami por ler, à minha espera, dá-me uma sensação de conforto e satisfação.

Quando leio Murakami, sei que o gozo e o deleite são garantidos.

Ao ouvir falar, pela primeira vez, em “1Q84”, ainda este não tinha sido lançado em Portugal, fiquei rendida ao título... Estava perante uma excitante analogia! Claro que eu ainda não sabia que a letra “Q”, em japonês se lê “9” mas o vínculo com a obra-prima de George Orwell é imediato, não fosse o nosso cérebro proceder à leitura das palvras dessa forma (estão a ver, omiti o “a”, em “palvras” e vocês, mesmo assim, souberam que me referia às “palavras”...). No meu caso, que adorei “1984” e é um dos livros mais marcantes que li, essa conexão de Murakami aliciou-me e suscitou-me uma tremenda curiosidade em conhecer a associação que Murakami fez.

A responsabilidade de Murakami era alta, ao fazer essa alusão mas, uma vez mais, o autor não desiludiu, confirmando a sua mestria

Aqui vai um exemplo, ora leiam este pequeno excerto: 

 

exerto1q84vol1.jpg

No Livro 1 de “1Q84” são dadas a conhecer as personagens principais: Aomame e Tengo, apresentadas intercaladamente nos capítulos. Sorri e pensei logo: “Este livro promete”, quando me apercebi desta particularidade e me lembrei de “Kafka à Beira-Mar”, em que assim é...

O primeiro capítulo, o de Aomame, ficou-me gravado na memória com algum rigor, facto que não é assim tão comum na maioria dos livros de outros autores... Até a música que serviu de fundo a esse capítulo – “Sinfonietta”, de Leos Janacek – ainda hoje tantas vezes me vem a memória. Tengo é a personagem abordada nos capítulos pares deste livro, o rapaz solitário típico das personagens dos livros de Haruki, característica que aprecio particularmente.

Nos primeiros capítulos confesso que senti uma maior simpatia pela história de Aomame mas quando os mistérios em torno de Fuka-Eri e o “Povo Pequeno” se começaram a afirmar, as personagens ficaram empatadas, no que diz respeito à minha preferência.

Não me vou alongar em palavras sobre a história... Leiam-na se puderem, porque tudo o que eu possa dizer fica sempre aquém do que a escrita de Haruki Murakami desencadeia em mim. Além disso, seria uma missão praticamente impossível, listar todas as citações, passagens, factos, pormenores, músicas, etc. que ainda hoje me fazem recordar, pensar e sonhar com “1Q84”... E com todos os outros livros que li de Haruki Murakami, mesmo que há alguns anos atrás e que recheiam as minhas deliciosas recordações, enaltecendo-me a alma.

 



publicado por numadeletra às 22:27 | Link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos

Por norma, o melhor é para o fim mas neste caso prefiro deixá-lo já no início.

Uma boa referência, para começar, a um autor que nunca me desilude... Pelo contrário!



publicado por numadeletra às 19:59 | Link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos


mais sobre mim
[email protected]
[email protected]
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


"1Q84" Livro 3, de Haruki...

"1Q84" Livro 2, de Haruki...

"1Q84" Livro 1, de Haruki...

Olá... Numa de Letra

Maio 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Estiveram Numa de Letra...
simple hit counter
Parabéns pelo 5º aniversário :)Deste autor, ainda ...
Tampouco gostei. Achei enfadonho e foi com dificu...
Mesmo sem ser um fã de Murakami, a verdade é que e...
Parabéns :|
O livro nunca esteve proibido em Portugal.
Gostaríamos de oferecer gratuitamente 60€ em publi...
Que frase extraordinária, adorei!Um bom ano para t...
Feliz Natal <:)}
Feliz Natal!um beijinhoGábi
Adivinhei o "segredo" logo no início...
tags

1q84

2012

2013

2014

2015

2016

39 em 1

55ª exposição internacional de arte

acordo ortográfico

aeroporto

afonso cruz

agradecimento

animais

aniversário

ano novo

antónio

antónio alçada baptista

arte

as leituras dos outros

barcelona

bienal de veneza

boas festas

bom fim-de-semana

bruxelas

caricatura

caricaturista

cascais

catarina ou o sabor da maçã

cinema

coldplay

concertos

david bowie

debaixo de algum céu

dia do animal

dia mundial da criança

dia mundial da música

dia mundial do livro

estádio do dragão

fantasporto

feira do livro

feira do livro do porto

férias

florença

foz do douro

funchal

gabriel garcía márquez

galerias de arte

haruki murakami

inaugurações simultâneas

israel

itália

jorge luis borges

josé eduardo agualusa

josé saramago

julião sarmento

la biennale di venezia

lisboa

livraria galeria papa-livros

livraria galileu

livrarias

livros

londres

luis sepúlveda

madeon

mensagens

metro

miguel torga

murais

museu nacional soares dos reis

museu soares dos reis

música

naftali bezem

natal

noites brancas

nuno camarneiro

ondjaki

os anos

os transparentes

paris

pavilhão grã-bretanha

philip roth

poesia

porto

primavera

projecto arte de portas abertas

provérbios

quantas madrugadas tem a noite

quarteirão miguel bombarda

raymond carver

rua

s. joão

serralves

soho

tel aviv museum of art

teolinda gersão

the national gallery

truman capote

valter hugo mãe

veneza

viagens

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds