Quarta-feira, 26 de Março de 2014

 

 

“A Desumanização” foi o quarto livro que li de Valter Hugo Mãe.

A história passa-se na Islândia, esse sítio longínquo e tão desconhecido do resto do mundo e a personagem principal e simultaneamente narradora é Halla, uma menina de 13 anos que conta o que sobra, depois de perder a irmã gémea. Sente-se, por isso mesmo, a “menos morta”.

Em casa, o pai é o seu único aliado, um amante da poesia, homem sensível que gosta de brincar com as palavras. Pelo contrário, a mãe é má e constantemente fá-la sentir-se culpada por continuar a existir.

É um livro de profunda delicadeza em que, embora a tristeza esteja quase sempre presente, não impede um constante deslumbramento do belo. Um livro pictórico; um livro de ver. Fica-se preso, quer pela beleza da leitura, quer pela escrita, quer pela poesia que este livro de prosa abarca.

Tem o que se chama em linguagem literária o grotesco, mas tem ainda o outro lado, o sublime.

 

Dos escritores portugueses contemporâneos, admito que tenho um fraquinho pela escrita de Valter Hugo Mãe. Em “A Desumanização”, encontrei algo diferente dos três anteriores. Foi o primeiro livro da fase pós minúsculas e achei-o num tom mais sério. Foi também, de longe o mais eclético.

 

“Este livro pretende mostrar o que há de gente em nós” - é o recado que Valter Hugo Mãe deixou, numa sessão dedicada a este livro.

 

 



publicado por numadeletra às 21:43 | Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

13 comentários:
De Manuel Cardoso a 27 de Março de 2014 às 20:25
"É um livro de profunda delicadeza em que, embora a tristeza esteja quase sempre presente, não impede um constante deslumbramento do belo."
Foi isso mesmo que senti ao ler este livro.
Mas acho que este autor já escreveu coisas bem mais fortes.


De numadeletra a 6 de Abril de 2014 às 20:23
Concordo plenamente.
"o remorso de baltazar serapião", por exemplo, foi para mim um livro bem mais forte.

Um abraço e obrigada pelo comentário.


De Maria João a 28 de Março de 2014 às 10:32
Aqui há uns tempos ofereceram-me A Máquina de Fazer Espanhóis. Não gostei. Não em refiro à escrita, refiro-me ao assunto, e achei que não voltaria a ler Valter Hugo Mãe, nem me preocupei em saber mais sobre os outros livros. Mas agora, visto este resumo, acho que ainda lá vou de novo e vou ler este. Obrigada


De numadeletra a 6 de Abril de 2014 às 20:26
Para quem tem idosos num lar, "a máquina de fazer espanhóis" dá que pensar. Este título sobre o qual falo também é forte, mas a escrita é belíssima.

Obrigada Maria João. Volte, por favor.


De Camilla a 1 de Abril de 2014 às 00:55
Apesar da tristeza dos fatos, algo de profundamente belo é perceptível nesse livro. E essa beleza só será absorvida quando, tal como em museus, a gente parar minutos à sua frente e deixar que a obra de arte nos rapte/capte. A meu ver esse livro não é menos que uma obra de arte!!


De numadeletra a 6 de Abril de 2014 às 20:28
Alô Brasil!
Valter Hugo Mãe é um autor português que vale a pena descobrir.
Vá aparecendo, Camilla.
Beijão.


De Luísa Livros a 2 de Abril de 2014 às 03:09
Tenho este livro cá em casa à espera de ser lido! ;) Prenda de Natal...e por sua vez já alguém o colocou no Cemitério dos Livros Lidos, se quiser espreitar... ;) Estou com muita curiosidade de o ler....


De numadeletra a 6 de Abril de 2014 às 20:41
Oxalá o meu comentário dê o empurrãozinho que faltava.

Vou espreitar o blog.

Um abraço.


De golimix a 6 de Abril de 2014 às 12:09
A trecho que aqui deixas-te foi um belo exemplo do que se pode esperar.

Tu é que és um bom exemplo de generosidade com as tuas interessantes sugestões


De numadeletra a 6 de Abril de 2014 às 20:45
Ainda bem que gostaste do excerto. O livro tem passagens belíssimas.

Beijinho com votos de boa semana.


De Octávio Carvalho a 18 de Janeiro de 2016 às 15:41
Também adorei esta obra do Valter Hugo Mãe. É encantadora mas chega também a ser paradoxal, no sentido em que se vislumbra uma beleza estranha no seio da solidão, do silêncio e do medo.
É a primeira obra que leio do autor, espero poder surpreender-me com as restantes. Boa crítica.
Se tiveres tempo disponível, visita também o meu blog. Também fiz uma crítica a esta obra: http://orapazmarciano.com/a-desumanizacao/
Obrigado e boas leituras!


De P.Calisto a 16 de Julho de 2016 às 14:58
Não consigo entender as opiniões positivas acerca desta obra. Não consegui terminar a leitura. É demasiado enfadonha, melancólica e a cada capítulo vem mais do mesmo. O conteúdo dramático do primeiro capítulo arrasta-se até ao meio da história sem acrescentar nada de novo...


De Lucila a 23 de Junho de 2017 às 14:14
Tampouco gostei. Achei enfadonho e foi com dificuldade que patinei nas 150 páginas. Gosto muito do autor, mas não gostei nada deste livro dele. Desumanização é fazer-nos ler até o final.


Comentar post

mais sobre mim
[email protected]
[email protected]
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


"A Peregrinação do Rapaz ...

Registos de Rua... parte ...

Para sempre George Michae...

Feliz Natal!

“A Mulher”, de Meg Wolitz...

Registos de Rua... parte ...

Exposição de Artes Plásti...

Dia do Animal

Dia Mundial da Música

5ª Edição de Inaugurações...

Maio 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Estiveram Numa de Letra...
simple hit counter
Tampouco gostei. Achei enfadonho e foi com dificu...
Mesmo sem ser um fã de Murakami, a verdade é que e...
Parabéns :|
O livro nunca esteve proibido em Portugal.
Gostaríamos de oferecer gratuitamente 60€ em publi...
Que frase extraordinária, adorei!Um bom ano para t...
Feliz Natal <:)}
Feliz Natal!um beijinhoGábi
Adivinhei o "segredo" logo no início...
Adorava ler este livro em Português mas não estou ...
tags

1q84

2012

2013

2014

2015

2016

39 em 1

55ª exposição internacional de arte

acordo ortográfico

aeroporto

afonso cruz

agradecimento

animais

aniversário

ano novo

antónio

antónio alçada baptista

arte

as leituras dos outros

barcelona

bienal de veneza

boas festas

bom fim-de-semana

bruxelas

caricatura

caricaturista

cascais

catarina ou o sabor da maçã

cinema

coldplay

concertos

david bowie

debaixo de algum céu

dia do animal

dia mundial da criança

dia mundial da música

dia mundial do livro

estádio do dragão

fantasporto

feira do livro

feira do livro do porto

férias

florença

foz do douro

funchal

gabriel garcía márquez

galerias de arte

haruki murakami

inaugurações simultâneas

israel

itália

jorge luis borges

josé eduardo agualusa

josé saramago

julião sarmento

la biennale di venezia

lisboa

livraria galeria papa-livros

livraria galileu

livrarias

livros

londres

luis sepúlveda

madeon

mensagens

metro

miguel torga

murais

museu nacional soares dos reis

museu soares dos reis

música

naftali bezem

natal

noites brancas

nuno camarneiro

ondjaki

os anos

os transparentes

paris

pavilhão grã-bretanha

philip roth

poesia

porto

primavera

projecto arte de portas abertas

provérbios

quantas madrugadas tem a noite

quarteirão miguel bombarda

raymond carver

rua

s. joão

serralves

soho

tel aviv museum of art

teolinda gersão

the national gallery

truman capote

valter hugo mãe

veneza

viagens

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds