Quarta-feira, 1 de Maio de 2013

 

 

Apesar da curiosidade que há muito tinha em conhecer a escrita de Philip Roth, fui protelando e só agora entrei no seu mundo literário. Estreei-me com “A Humilhação”, o trigésimo livro do autor.

 

As poucas folhas e a escrita aparentemente acessível, poderiam à primeira vista sugerir tratar-se de uma leitura simples, quase básica, mas não. Na realidade, a escrita e a história estão recheadas de pormenores inteligentes, subtis e alguma psicanálise.

Roth elaborou um enredo envolvente e imprevisível, cheio de voltas e reviravoltas, deixando o leitor em constante meditação. Vários temas sérios e actuais são referidos: o suicídio, a pedofilia, a homossexualidade, por exemplo. E sexo... descrições explícitas que fazem corar o menos puritano!

 

O livro começa com o declínio do protagonista, o conceituado actor de Teatro e Cinema chamado Simon Axler, de 65 anos. Com um currículo invejável, de repente perde tudo: a confiança na arte de representar, a magia, o talento, a vontade de viver e até a própria mulher o abandona. Não conto outros pormenores, pois correria o risco de revelar demasiado… e foi tão empolgante descobrir a história página a página!

 

Sendo “A Humilhação”, o único título deste autor norte-americano de ascendência judaica que li até ao momento, talvez seja prematuro fazer uma associação de estilo e estrutura de escrita. Contudo, atrever-me-ia a coloca-lo entre Truman Capote e Cormac McCarthy.

 

Ficou uma vontade enorme de voltar a Philip Roth, na expectativa de descobrir melhor a sua escrita. Curiosa e coincidentemente, enquanto lia “A Humilhação”, vi uma entrevista que concedeu a um dos nossos canais televisivos e também aqui fiquei fascinada pela simplicidade e naturalidade com que se expôs, desvendando alguns dos enigmas dos seus livros mais marcantes.

Verdadeiramente um nome a reter, um premiado autor a reler.

 

Excerto.jpg

  



publicado por numadeletra às 14:45 | Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

27 comentários:
De golimix a 1 de Maio de 2013 às 17:38
Mais um conselho interessante!


Nem queiras saber, ultimamente ando ler tão pouco... chego esgotada e ou me deito e adormeço num tiro, ou sento no sofá e venho para aqui no tablet. Os únicos livros que tenho lido são sobre adestramento canino. Mas faz-me falta viajar pelas páginas de um livro....




De numadeletra a 2 de Maio de 2013 às 19:11
A tua outra leitura compensa a falta de literatura e o Tóbi merece :-)


De C. a 1 de Maio de 2013 às 20:44
vou utilizar este post como incentivo
objectivo: ler Roth nos próximos tempos ,"teatro de sabbath" :D


De numadeletra a 2 de Maio de 2013 às 19:14
Este livro também me serviu de rampa de lançamento para a descoberta das obras deste grande escritor que é Philip Roth!


De marcia a 1 de Maio de 2013 às 21:32
Iniciei uma vez a leitura de um livro de Roth e não concluí. Talvez não fosse a altura de o ler.


De numadeletra a 2 de Maio de 2013 às 19:15
Às vezes acontece.
Tudo tem um timing certo, até os livros...


De Teresa Dias a 2 de Maio de 2013 às 08:50
Venho retribuir a sua visita, e dizer-lhe que agora... não irá parar de ler Philip Roth. Tenho a certeza.
Voltarei para ver este cantinho com muita, muita calma.
Boas leituras!


De numadeletra a 2 de Maio de 2013 às 19:16
Palpita-me que sim. A vontade é imensa, nem faz ideia.

Obrigada Teresa, volte sempre, é muito bem-vinda!

Boas leituras.


De Sagitário a 2 de Maio de 2013 às 09:07
Também vi a entrevista, mas ainda não conheço os livros deste escritor. Pode ser que as tuas palavras sejam um incentivo para mudar esta situação. Beijinhos.


De numadeletra a 2 de Maio de 2013 às 19:17
Eu se soubesse que ía gostar tanto já tinha lido há muito mais tempo.

Mas claro que as opiniões podem variar.

Beijinhos


De pedrices a 2 de Maio de 2013 às 10:33
Boa, ainda bem que experimentaste finalmente o Roth. A parte boa é que ainda há muitos mais, e muito bons :)


De numadeletra a 2 de Maio de 2013 às 19:18
Pelo menos mais 30 livros, não é Pedro?

Bendita a hora em que li Roth... com “A Humilhação” este escritor foi logo para os favoritos.


De pedrices a 3 de Maio de 2013 às 12:15
Pois claro, só podia :)

A mim ainda faltam muitos... Mas a grande falha é o Teatro de Sabath, que acho que é dos melhores. Tenho que tratar disso. Mas, primeiro, o que tenho lá em casa por ler - Conspiração Contra a América. E o Engano que não tenho mas ando louco pra ler.


De Salomão Terra a 2 de Maio de 2013 às 16:12
Sou suspeito pra falar... adoro tudo do Roth!


De numadeletra a 2 de Maio de 2013 às 19:19
Comentário muito válido que registo com apreço.
Obrigada!


De sweet a 2 de Maio de 2013 às 17:29
não conhecia mas parece de facto muito interessante :)

obrigada, para ti também :)



De numadeletra a 2 de Maio de 2013 às 19:20
Lê logo que possas, estou certa que não te vais desiludir.

Um abraço


De Existe um Olhar a 5 de Maio de 2013 às 18:23
Mais um livro e um autor que desconhecia, por isso é sempre um prazer vir aqui. Como ando mais dedicada à fotografia as leituras têm ficado para trás, os dias de sol convidam.
Muito obrigada pela partilha.

Beijos
Manu


De numadeletra a 6 de Maio de 2013 às 15:56
Obrigada, Manu!
Consolo-me com as bonitas fotografias no teu Cantinho ;-)
Boa semana!

Beijinhos


De A.B.A a 11 de Maio de 2013 às 03:59
O tema de Roth, do que li, é a alteridade. Um dia somos uns semi-deuses, no outro, ainda com o sabor da glória na boca, um farrapo...

E isto acontece muito oblíquamente.

Eu li alguns livros, incluindo a Pastoral Americana, mas foi com a Mancha Humana que levei um soco no estômago.

Recomendo a Mancha Humana (livro) e o Elegy (filme) de Isabel Coixet.

Deixem que vos diga, a realizadora deu em Roth uma pequena chapada, com um toque muito feminino...

Gostei muito do livro e aquilo que Isabel Coixet fez com este...


De numadeletra a 12 de Maio de 2013 às 21:37
Agradeço o interessante comentário assim como as sugestões, que já levarei em conta.

Volte sempre.


De Filipe a 7 de Outubro de 2013 às 17:23
Olá,

Gosto muito de Philip Roth tendo já lido vários livros dele, o Filme a que se refere não é da Mancha Humana mas sim do Animal Maribundo.

Um Abraço.


De A.B.A a 7 de Outubro de 2013 às 18:57
Certo,

Houve aqui um equívoco...

Obrigado)


De numadeletra a 18 de Outubro de 2013 às 19:06
Bom fim-de-semana!


De numadeletra a 18 de Outubro de 2013 às 19:05
Obrigada pelo comentário. Vá aparecendo e comentando, é sempre bem-vindo.


Comentar post

mais sobre mim
[email protected]
[email protected]
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


"A Peregrinação do Rapaz ...

Registos de Rua... parte ...

Para sempre George Michae...

Feliz Natal!

“A Mulher”, de Meg Wolitz...

Registos de Rua... parte ...

Exposição de Artes Plásti...

Dia do Animal

Dia Mundial da Música

5ª Edição de Inaugurações...

Maio 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Estiveram Numa de Letra...
simple hit counter
Parabéns pelo 5º aniversário :)Deste autor, ainda ...
Tampouco gostei. Achei enfadonho e foi com dificu...
Mesmo sem ser um fã de Murakami, a verdade é que e...
Parabéns :|
O livro nunca esteve proibido em Portugal.
Gostaríamos de oferecer gratuitamente 60€ em publi...
Que frase extraordinária, adorei!Um bom ano para t...
Feliz Natal <:)}
Feliz Natal!um beijinhoGábi
Adivinhei o "segredo" logo no início...
tags

1q84

2012

2013

2014

2015

2016

39 em 1

55ª exposição internacional de arte

acordo ortográfico

aeroporto

afonso cruz

agradecimento

animais

aniversário

ano novo

antónio

antónio alçada baptista

arte

as leituras dos outros

barcelona

bienal de veneza

boas festas

bom fim-de-semana

bruxelas

caricatura

caricaturista

cascais

catarina ou o sabor da maçã

cinema

coldplay

concertos

david bowie

debaixo de algum céu

dia do animal

dia mundial da criança

dia mundial da música

dia mundial do livro

estádio do dragão

fantasporto

feira do livro

feira do livro do porto

férias

florença

foz do douro

funchal

gabriel garcía márquez

galerias de arte

haruki murakami

inaugurações simultâneas

israel

itália

jorge luis borges

josé eduardo agualusa

josé saramago

julião sarmento

la biennale di venezia

lisboa

livraria galeria papa-livros

livraria galileu

livrarias

livros

londres

luis sepúlveda

madeon

mensagens

metro

miguel torga

murais

museu nacional soares dos reis

museu soares dos reis

música

naftali bezem

natal

noites brancas

nuno camarneiro

ondjaki

os anos

os transparentes

paris

pavilhão grã-bretanha

philip roth

poesia

porto

primavera

projecto arte de portas abertas

provérbios

quantas madrugadas tem a noite

quarteirão miguel bombarda

raymond carver

rua

s. joão

serralves

soho

tel aviv museum of art

teolinda gersão

the national gallery

truman capote

valter hugo mãe

veneza

viagens

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds