Domingo, 27 de Outubro de 2013

 

 

Na altura da atribuição do Prémio Nobel da Literatura 2013, fui reler esse grande escritor que nos últimos anos é quase sempre apontado como um candidato ao prémio, Philip Roth. Ainda não foi desta que venceu, o Nobel foi atribuído a Alice Munro, uma Canadiense octogenária, mestre do Conto, vencedora do Man Booker International Prize, em 2009.

Também Philip Roth foi galardoado com esse prémio, em 2011. Autor muito premiado na América, com "Pastoral Americana" venceu o Prémio Pulitzer, em 1997. É um livro que aborda sentimentos contraditórios sobre a América, rico e completíssimo.


Seymour Levov, por todos conhecido como o “Sueco” é judeu e, quando jovem, era a "estrela" do Liceu. Todos, sem excepção, nutriam por ele uma grande simpatia e admiração, idolatrando-o por ser um ás do Desporto, destacando-se no Basebol. Mas para o Sueco o importante e objectivo principal na vida sempre foi passar despercebido, manter a harmonia à sua volta, ter um lar, casar-se e ser feliz. Assim, apaixona-se e vem a casar-se com a Miss New Jersey, vai viver para a casa dos seus sonhos e tem uma filha. Tudo parecia encaixar-se de forma perfeita até ao dia em que vê partir a filha, Merry, de 16 anos, que sai de casa para nunca mais voltar.

 

Fui percorrendo as páginas deste livro sempre com grande deleite, muito na expectativa de descobrir os motivos que levam uma adolescente a tornar-se bombista, assassinando dessa forma 4 pessoas. Uma jovem que aparentemente tudo tinha para não ser assim, pois era oriunda de uma família que a amava e lhe procurou dar uma educação exemplar.

Coloquei-me no lugar de Merry e não consegui encontrar motivos para tamanha rebeldia e ódio: teria sido a gaguez a causa de tanta revolta? As imagens da auto-imolação do monge budista no Vietname que aos 11 anos sideraram Merry? As evasivas do avô paterno contra alguns dirigentes Americanos? A guerra do Vietname pela qual Merry sempre foi contra? Quais seriam os verdadeiros motivos que a moviam?

Não, nenhuma destas causas me pareceram suficientes para levarem alguém a ser bombista, a matar sem remorsos, a fugir da família sem deixar rasto, trocando o conforto e a protecção por uma vida de pária, com tudo o que isso implica, até mesmo ser violada. A odiar a sua pátria, a América. Verdadeiramente o antídoto do sonho do pai.

 

Este é o âmago da história mas há mais, muitas questões pertinentes são levantadas: a guerra, o Judaismo, o Catolicismo, o conflito entre religiões e gerações, o orgulho ou a vergonha de ser Americano, entre tantas outras. Tudo muito bem escrito...

 

Recomendo Philip Roth e “Pastoral Americana”, sem qualquer reticência. É um autor que quero continuar a ler mais e mais.

 


publicado por numadeletra às 18:46 | Link do post | Comentar | Ver comentários (8) | Adicionar aos favoritos

Domingo, 20 de Outubro de 2013

 

Para além da participação de Pedro Cabrita Reis com um espaço paralelo à Bienal de Veneza, a representação Portuguesa na 55ª edição é feita através do Trafaria Praia, o cacilheiro que Joana Vasconcelos recuperou e que se encontra atracado perto da paragem de vaporetto dos Giardini.

 

Ao trazer este cacilheiro que havia sido desactivado em 2011, a artista procurou fazer uma alegoria ao comércio tradicional entre Veneza e Lisboa, por via marítima, que se desenvolveu desde o Renascimento. A água, o transporte marítimo e a arte são três factores importantes a ligar Lisboa e Veneza.

 

Sobre o cacilheiro, destaco o painel de azulejos azuis e brancos (tão tradicionalmente Portugueses) que reveste o exterior, da proa à popa. Belíssimo!

O convés do navio tem a marca inconfundível da artista através de crochets em algodão e lã, uns suspensos outros pousados, alguns tecidos à mistura, tudo bem iluminado com efeitos extraordinários de pequenas luzes, numa harmonia tranquila e pouco convencional.

 

Considero que a representação portuguesa nesta edição da Bienal de Veneza  é extraordinária: Joana Vasconcelos conseguiu um pavilhão único, amovível e, portanto, a destacar-se de todas as outras representações.

Foi um orgulho ouvir fado a bordo do Trafaria Praia, sentir o pulsar português num agradável passeio que o cacilheiro faz diariamente.

 

Trafaria Praia_1.jpgTrafaria Praia_2.jpg

 



publicado por numadeletra às 15:20 | Link do post | Comentar | Ver comentários (11) | Adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 16 de Outubro de 2013

 

 


publicado por numadeletra às 20:09 | Link do post | Comentar | Ver comentários (10) | Adicionar aos favoritos

Sábado, 12 de Outubro de 2013

 

A Nathalie trabalha no Pavilhão Britânico da Bienal de Veneza.

Encontrei-a a ler e quando lhe pedi para a fotografar respondeu rindo, divertida, “Well, I’m not supposed to read here but OK”. Disse-lhe que além de publicar no Numa de Letra não contava a ninguém...

 

 

 


 



publicado por numadeletra às 14:15 | Link do post | Comentar | Ver comentários (3) | Adicionar aos favoritos

Terça-feira, 8 de Outubro de 2013

 

Um dos pontos altos não só de Veneza mas também dos sítios por onde passei nas últimas férias foi, sem dúvida, a Bienal de Veneza.

As expectativas antes de viajar eram altas e a visita não as defraudou, pelo contrário, deixou uma forte marca positiva nas memórias destas férias.

 

De dois em dois anos Veneza torna-se a capital mundial de Arte, acolhendo “a nata” dos melhores artistas de Arte Contemporânea do mundo, nessa que é a mais antiga e bonita exposição internacional de Arte, espalhando-se por vários pontos da cidade, interagindo com ela. Este ano, teve início a 1 de Junho e vai-se prolongar até 24 de Novembro.

 

Saindo do vaporetto na paragem do “Giardini”, comprei bilhete para passar um dia nas exposições do “Giardini” e outro nas do “Arsenale”. Aí está Il Palazzo Enciclopedico, um museu com artistas de todo o mundo e exposições em pavilhões de vários países, cada um com os seu próprio curador. Este ano há 88 participantes, 10 dos quais estreando-se nesta exposição. A cada nova edição há mais países a pedirem para serem convidados.

 

Fiquei orgulhosa com a representação de Portugal, em que destaco Pedro Cabrita Reis com “A Remote Whisper”, um pavilhão colateral à Bienal e do tão conhecido cacilheiro de Joana Vasconcelos “Trafaria Praia” que destacarei num próximo post. 

 

Bienal_1.jpgBienal_2.jpgBienal_3.jpgBienal_4.jpgBienal_5.jpgBienal_6.jpgBienal_7.jpg

 



publicado por numadeletra às 19:14 | Link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 3 de Outubro de 2013

 

De tanto se ouvir falar sobre Veneza, há a sensação de já lá se ter ido, de se conhecer a cidade. Era o que se passava comigo; agora, depois de por lá ter passado, digo que não é bem assim. Os relatos e as fotografias não nos transmitem os sons, os aromas, o ambiente... e Veneza tem um charme muito próprio, aguça-nos os sentidos: a visão a 3D, o contacto com os autóctones, os cheiros, os sons (o ruído da água é permanente) e o prazer da boa comida italiana.

 

Sim, Veneza é uma cidade romântica, cheia de canais e ruelas estreitas, onde os turistas de todo o mundo circulam, sem pressa. Foram 4 dias inesquecíveis, incomparáveis.

 

Se estive na Praça de S. Marco? Claro e comi um gelado, divertida e distraída com tanta gente. Andei de gôndola? Sim, atravessei o Grande Canal, uma vez de gôndola, várias de vaporetto (os autocarros aquáticos de Veneza). Se fui a Murano? Obviamente que sim, entrei numa fábrica e vi ser fabricada uma peça em vidro. Também comprei um "ricordo", como manda a praxe.

Visitei basílicas, das quais destaco "Santa Maria della Salute" e fui ao "Il Ghetto", onde a comunidade judaica se junta para fazer as suas orações.

 

Vi tudo isso e gostei muito.

 

Depois, a "Bienal de Veneza", ponto alto das minhas férias em Itália. Há tanto para mostrar, que sobre este evento falarei no próximo post. A não perder....

 

c6ye.jpg 

kqme.jpg

  

hlte.jpg

 



publicado por numadeletra às 18:33 | Link do post | Comentar | Ver comentários (6) | Adicionar aos favoritos

mais sobre mim
[email protected]
[email protected]
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


"A Peregrinação do Rapaz ...

Registos de Rua... parte ...

Para sempre George Michae...

Feliz Natal!

“A Mulher”, de Meg Wolitz...

Registos de Rua... parte ...

Exposição de Artes Plásti...

Dia do Animal

Dia Mundial da Música

5ª Edição de Inaugurações...

Maio 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Estiveram Numa de Letra...
simple hit counter
Parabéns pelo 5º aniversário :)Deste autor, ainda ...
Tampouco gostei. Achei enfadonho e foi com dificu...
Mesmo sem ser um fã de Murakami, a verdade é que e...
Parabéns :|
O livro nunca esteve proibido em Portugal.
Gostaríamos de oferecer gratuitamente 60€ em publi...
Que frase extraordinária, adorei!Um bom ano para t...
Feliz Natal <:)}
Feliz Natal!um beijinhoGábi
Adivinhei o "segredo" logo no início...
tags

1q84

2012

2013

2014

2015

2016

39 em 1

55ª exposição internacional de arte

acordo ortográfico

aeroporto

afonso cruz

agradecimento

animais

aniversário

ano novo

antónio

antónio alçada baptista

arte

as leituras dos outros

barcelona

bienal de veneza

boas festas

bom fim-de-semana

bruxelas

caricatura

caricaturista

cascais

catarina ou o sabor da maçã

cinema

coldplay

concertos

david bowie

debaixo de algum céu

dia do animal

dia mundial da criança

dia mundial da música

dia mundial do livro

estádio do dragão

fantasporto

feira do livro

feira do livro do porto

férias

florença

foz do douro

funchal

gabriel garcía márquez

galerias de arte

haruki murakami

inaugurações simultâneas

israel

itália

jorge luis borges

josé eduardo agualusa

josé saramago

julião sarmento

la biennale di venezia

lisboa

livraria galeria papa-livros

livraria galileu

livrarias

livros

londres

luis sepúlveda

madeon

mensagens

metro

miguel torga

murais

museu nacional soares dos reis

museu soares dos reis

música

naftali bezem

natal

noites brancas

nuno camarneiro

ondjaki

os anos

os transparentes

paris

pavilhão grã-bretanha

philip roth

poesia

porto

primavera

projecto arte de portas abertas

provérbios

quantas madrugadas tem a noite

quarteirão miguel bombarda

raymond carver

rua

s. joão

serralves

soho

tel aviv museum of art

teolinda gersão

the national gallery

truman capote

valter hugo mãe

veneza

viagens

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds