Segunda-feira, 3 de Setembro de 2012

 

 

Provavelmente já tudo foi escrito sobre "Não Matem a Cotovia", de Harper Lee. Escrito, dito e visto, pois é um best-seller que deu filme... apesar disso, ao percorrer as prateleiras lá de casa, apeteceu-me muito lê-lo.

Ainda bem que fui por instinto! É que gostei tanto, mas tanto da leitura, que ficou uma sensação gostosa.

 

A história passa-se no Alabama, numa pequena e retrógrada cidade dos EUA chamada Maycomb County, nas décadas 30 e 40 do século XX e tem como tema principal o racismo.

Quem a conta é Jean Louise, ou Scout para os mais próximos, uma menina que aos 2 anos perdeu a mãe não guardando recordações dela e vive com o pai, Atticus Finch, o irmão, Jem e a empregada negra, Calpurnia, considerada uma espécie de membro da família.

 

Através dos olhos, palavras e interpretações inocentes de uma criança, vemos uma sociedade racista, preconceituosa e intolerante mas nela encontramos também exemplos de Homens que, em minoria e com grande determinação e bondade, ajudaram a mudar mentalidades.

 

Atticus é um advogado branco, bem-formado e pai extremoso. Nesta narrativa desempenha o papel de um desses Homens, já que aceita defender um negro, sabendo, à partida que a causa seria perdida. Nunca, num tribunal daquele Estado, um negro vencera um branco.

Um personagem exemplar, corajoso, íntegro e sensato.

 

Aconselho qualquer um a ler este livro. Mesmo sendo difícil encontra-lo, vale a pena tentar até conseguir.

 

Se me coubesse decidir um destino a dar a "Não Matem a Cotovia", de Harper Lee, punha-o numa dessas listas de livros que toda a gente deve ler.

 

Em jeito de remate e como curiosidade, acrescento que este foi o único trabalho publicado, por esta autora, até hoje.

 

 


publicado por numadeletra às 20:45 | Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

13 comentários:
De Patrícia Sofia Ferreira a 3 de Setembro de 2012 às 21:18
Muito obrigada! :D


De C. a 3 de Setembro de 2012 às 21:37
Ao ler o comentário compreendo a razão da importância deste título na literatura norte-americana. Retrato de um período com muitas implicações na história. tenho curiosidade.
Nesta "linha" li o ""Luz em Agosto" do Faulkner, simplesmente fico com a sensação, não sei se correcta, que o ""Não matem a Cotovia" transmite uma mensagem de esperança e de mudança de mentalidade, de evolução dos tempos, do melhor que o ser humano pode fazer, coisa que não senti em Faulkner (descreve o outro lado-mas de uma forma fantástica, apesar de nos apertar por dentro).


De numadeletra a 4 de Setembro de 2012 às 20:40
Fico contente por ter conseguido transmitir a génese do livro. É isso mesmo, C..

Quanto a W. Faulkner, li há uns anos atrás "Os Ratoneiros" e embora não me recorde nitidamente, a impressão não é má de todo.


De redonda a 4 de Setembro de 2012 às 00:12
Li-o há muitos anos e adorei.
Um livro a reler um dia destes. E também gostei do filme.


De numadeletra a 4 de Setembro de 2012 às 20:41
A Redonda tem bom gosto... :-)


De redonda a 6 de Setembro de 2012 às 01:01
:)


De pedrices a 4 de Setembro de 2012 às 12:10


De numadeletra a 4 de Setembro de 2012 às 20:43
Uns leram mais cedo, outros apenas agora...
A impressão geral é a mesma: um livro imperdível!


De golimix a 4 de Setembro de 2012 às 17:32
A reler!

Ando a ler um que também és capaz de gostar "Os filhos da liberdade!" de Marc Levy, Conheces?


De numadeletra a 4 de Setembro de 2012 às 20:45
Sei que Marc Levy é um autor francês com muitas obras editadas, já vasculhei uma colecção de bolso mas nunca li.

Obrigada pela sugestão!


De golimix a 5 de Setembro de 2012 às 16:37
Gosto imenso dele. Experimenta um. Os primeiros que li foram "O Primeiro dia" e a seguir a continuação deste "A primeira Noite", já li também "O Ladrão de Sombras" e agora este.
É um autor interessante e pouco "denso"


De mfc a 9 de Setembro de 2012 às 16:55
Gosto de livros que nos desafiem... que nos exponham às nossas contradições!


De numadeletra a 11 de Setembro de 2012 às 14:53
É que este é tal e qual, mfc!


Comentar post

mais sobre mim
[email protected]
[email protected]
Dezembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Registos de Rua... parte ...

"Livro Sem Ninguém", de P...

Alguém, algures... Numa d...

Registos de Rua... parte ...

“O Baile”, de Irène Némir...

Trick-or-treating

Registos de Rua... parte ...

“A Cidade de Ulisses”, de...

Alguém, algures... Numa d...

Prémio Nobel da Literatur...

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Estiveram Numa de Letra...
simple hit counter
Gostei imenso da opinião.Vou começar a seguir o bl...
Fantástica frase, subscrevo totalmente! Adorei :Dh...
Adorei a mensagem. É tão difícil entender o silênc...
Também achei!
O livro é tão original que mesmo sem personagens f...
Estás sempre a tempo, Márcia...Beijinhos
Um abraço, Miguel e resto de bom Domingo.
Deve ser um livro bem original, quando passar por ...
Grande livro, este! :)
Infelizmente este livro nao me interessou. Tive pe...
tags

“o amor”

1q84

1q84 livro 1

1q84 livro 2

1q84 livro 3

2012

2013

2014

39 em 1

55ª exposição internacional de arte

84ª feira do livro de lisboa

a árvore das palavras

a carne de deus

a cidade de ulisses

a desumanização

a estrada

a harpa de ervas

a humilhação

a infância de jesus

acordo ortográfico

aeroporto

afonso cruz

aniversário

antónio

antónio alçada baptista

arte

as leituras dos outros

bienal de veneza

boas festas

bom fim-de-semana

bruxelas

caricatura

caricaturista

cascais

catarina ou o sabor da maçã

cinema

coldplay

concertos

debaixo de algum céu

dia mundial da criança

dia mundial da música

dia mundial do livro

estádio do dragão

fantasporto

feira do livro

feira do livro do porto

férias

florença

foz do douro

funchal

gabriel garcía márquez

galerias de arte

haruki murakami

inaugurações simultâneas

israel

itália

jorge luis borges

josé eduardo agualusa

julião sarmento

la biennale di venezia

livraria galeria papa-livros

livraria galileu

livrarias

livros

londres

luis sepúlveda

madeon

mensagens

miguel torga

murais

museu nacional soares dos reis

museu soares dos reis

música

noites brancas

nuno camarneiro

ondjaki

os anos

os transparentes

paris

pavilhão grã-bretanha

philip roth

poesia

porto

primavera

projecto arte de portas abertas

provérbios

quantas madrugadas tem a noite

quarteirão miguel bombarda

raymond carver

rua

s. joão

serralves

tel aviv museum of art

teolinda gersão

truman capote

valter hugo mãe

veneza

verão

viagens

virginia woolf

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds