Segunda-feira, 23 de Julho de 2012
  

  

Quando as leituras anteriores deixam algo a desejar ou o estado de espírito não é dos melhores, agarro-me a Gabriel García Márquez ou Haruki Murakami, com a certeza de não haver desilusão.

 

Desta vez fui "ao fundo da estante" para desenterrar a 2ª edição de "O Veneno da Madrugada", publicado pela "Colecção Século XX" da Europa-América. Este romance deu a GGM o Grande Prémio do Romance Colombiano e foi já um prelúdio para as grandes obras que se seguiram e que culminaram com "Cem Anos de Solidão", obra-prima que lhe valeu o Nobel da Literatura.

 

A história de "O Veneno da Madrugada" desenrola-se à volta dos pasquins que misteriosamente são colocados porta a porta, durante a noite e que deixam as pessoas assustadas com o que poderá ser denunciado, já que, à excepção dos muito pobres, ninguém está a salvo das revelações desses malfadados papéis que desencadeiam crimes e muita agitação.

O escritor já menciona Macondo, introduz personagens como o Padre Ángel, o coronel Aureliano Buendía e a Mamã Grande, figuras que o acompanharão nas publicações posteriores, nomeadamente em "Cem Anos de Solidão".

Uma vez mais a criatividade, o apurado sentido de humor, as frases assertivas dos diálogos e a escrita fantástica do génio, não desiludiram.

 

Numa altura em que a comunicação social anunciou a sua "perda de memória" e consequente paragem na escrita, esta leitura, que nem programada havia sido, acaba por ser uma pequena homenagem ao grande romancista nascido na Colômbia, figura maior do panorama literário do século XX, tábua de salvação quando os títulos a ler não apetecem, porque as férias são precisas ou simplesmente porque não.

 

Numa de Letra_21-07-2012.jpg

 

 

 



publicado por numadeletra às 18:55 | Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

13 comentários:
De C. a 24 de Julho de 2012 às 11:44
Olá,
Voltar a Gabriel Garcia Marquez é sempre reconfortante- é voltarmos a essas personagens de uma riqueza ímpar. A escrita, a narrativa é perspicaz, este "O Veneno da Madrugada" é disso exemplo.

Quando correm rios de tinta sobre se o Nobel está demente, ou apenas acusa o desgaste dos anos, para nós leitores fica este Gabo, o das obras que nos trouxeram um pouco mais de luz sobre a realidade (tantas vezes mágica) da américa latina.

Caso não tenha tido oportunidade até ao momento, e se me permite, sugiro o monumental "Viver para Contá-la" -lê-lo é voltar a esse imaginário dos romances, dos contos. Tenho a insensatez de afirmar que é o romance maior da sua obra.

Boas leituras :)


De numadeletra a 24 de Julho de 2012 às 12:12
Agradeço a visita e o comentário que achei excelente.

Os rumores que surgiram sobre a possível perda de memória ou demência de GGM, tanto quanto percebi, têm a ver com a publicação do 2º volume da sua auto-biografia, "Viver para Contá-la".
É um livro que também aguarda vez na estante - este comentário aguçou a vontade de o ler rapidamente - porque para já, “Cem Anos de Solidão” continua a ser o livro mágico de Gabo.

Retribuo o votos de boas leituras :-)


De C. a 24 de Julho de 2012 às 13:09
No seguimento da troca de ideias: http://www.eluniversal.com.mx/notas/860501.html (uma parte de mim prefere acreditar nesta versão);

Aquando da publicação do 1º volume ficou a ideia de que devíamos esperar mais 2 volumes. Contudo os anos forma passando. Sinceramente pensei em duas hipóteses para o "atraso" 1º- O período que se segue ao 1º volume poder retratar a relação de Gabo a Cuba, a Fidel e isso ser um assunto que em vida poderia ser sensível, o que me remete para a 2ª hipótese da própria editora estar a jogar com isso e com o facto de um Nobel se vende, depois de falecer, bem...(vejamos o exemplo de Saramago).

Acho que prefiro esperar mais uns anos e ter este senhor por cá mais uns tempos, até porque ainda tenho uns quantos livros dele para ler:)


De Jorge Soares a 25 de Julho de 2012 às 01:11
Uma das coisas que mais gosto dos livros do GGM é esse repetir de personagens que vamos descobrindo de livro para livro.

A maior parte dos livros dele foram requisitados na biblioteca da UCV nos meus tempos de estudante, por vezes tenho pena de não os ter à mão e poder reler e recordar.

Jorge


De numadeletra a 25 de Julho de 2012 às 21:37
Olá Jorge,

Espero que este artigo tenha ajudado a reviver algumas dessas memórias!


De marcia a 27 de Julho de 2012 às 01:52
Nada como um livro que corresponde às expetativas e nos emociona. É uma espécie de porto de abrigo das coisas menos boas, que nos faz sonhar e viver outras histórias.


De numadeletra a 28 de Julho de 2012 às 11:46
Os livros de Gabriel García Márquez têm esse fantástico dom...


De sentaqui a 27 de Julho de 2012 às 15:53
Um livro que ficará na minha lista dos que hei-de de ler, tal a descrição apurada e lúcida que fizeste deste fabuloso escritror e do livro, mais propriamente.

Beijinhos


De numadeletra a 28 de Julho de 2012 às 11:53
Espero que a sugestão não desiluda.
Que bom, sentaqui... Gosto muito de te ver por aqui.

Obrigada.

Beijinhos


De redonda a 30 de Julho de 2012 às 23:49
Ainda não li este livro, nem o conhecia pelo título.
Do autor já li Cem Anos de Solidão, Amor em Tempo de Cólera (este adorei) e Crónica de Uma Morte Anunciada.


De numadeletra a 1 de Agosto de 2012 às 00:39
Também os li, Redonda.
Era escusado dizer que gostei muito.


De pedrices a 1 de Agosto de 2012 às 13:46
Que homenagem bonita!
Acho que devia fazer o mesmo... Ainda tenho lá alguns que não li...


De numadeletra a 1 de Agosto de 2012 às 18:10
Obrigada, Pedro!

Apoio essa tua decisão ;-)


Comentar post

mais sobre mim
[email protected]
[email protected]
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


"A Peregrinação do Rapaz ...

Registos de Rua... parte ...

Para sempre George Michae...

Feliz Natal!

“A Mulher”, de Meg Wolitz...

Registos de Rua... parte ...

Exposição de Artes Plásti...

Dia do Animal

Dia Mundial da Música

5ª Edição de Inaugurações...

Maio 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Estiveram Numa de Letra...
simple hit counter
Tampouco gostei. Achei enfadonho e foi com dificu...
Mesmo sem ser um fã de Murakami, a verdade é que e...
Parabéns :|
O livro nunca esteve proibido em Portugal.
Gostaríamos de oferecer gratuitamente 60€ em publi...
Que frase extraordinária, adorei!Um bom ano para t...
Feliz Natal <:)}
Feliz Natal!um beijinhoGábi
Adivinhei o "segredo" logo no início...
Adorava ler este livro em Português mas não estou ...
tags

1q84

2012

2013

2014

2015

2016

39 em 1

55ª exposição internacional de arte

acordo ortográfico

aeroporto

afonso cruz

agradecimento

animais

aniversário

ano novo

antónio

antónio alçada baptista

arte

as leituras dos outros

barcelona

bienal de veneza

boas festas

bom fim-de-semana

bruxelas

caricatura

caricaturista

cascais

catarina ou o sabor da maçã

cinema

coldplay

concertos

david bowie

debaixo de algum céu

dia do animal

dia mundial da criança

dia mundial da música

dia mundial do livro

estádio do dragão

fantasporto

feira do livro

feira do livro do porto

férias

florença

foz do douro

funchal

gabriel garcía márquez

galerias de arte

haruki murakami

inaugurações simultâneas

israel

itália

jorge luis borges

josé eduardo agualusa

josé saramago

julião sarmento

la biennale di venezia

lisboa

livraria galeria papa-livros

livraria galileu

livrarias

livros

londres

luis sepúlveda

madeon

mensagens

metro

miguel torga

murais

museu nacional soares dos reis

museu soares dos reis

música

naftali bezem

natal

noites brancas

nuno camarneiro

ondjaki

os anos

os transparentes

paris

pavilhão grã-bretanha

philip roth

poesia

porto

primavera

projecto arte de portas abertas

provérbios

quantas madrugadas tem a noite

quarteirão miguel bombarda

raymond carver

rua

s. joão

serralves

soho

tel aviv museum of art

teolinda gersão

the national gallery

truman capote

valter hugo mãe

veneza

viagens

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds