Domingo, 13 de Maio de 2012
 

Capa O Sentido do Fim, de Julian Barnes.jpg

 

Quando terminei de ler “O Sentido do Fim”, de Julian Barnes, fiquei num modo de encantamento tal, que a sensação se prolongou por vários dias. O estado residual que só um bom livro consegue proporcionar e o qual creio que qualquer adepto de leitura busca.

Comecei-o durante uma viagem profissional, em meados de Janeiro, num voo até Bruxelas e a narrativa seduziu-me tão depressa que logo nas primeiras páginas fiquei rendida a ela. O apego foi tal que durante essa viagem mal consegui parar de ler. Foi como se, de repente, naquele avião, tudo à minha volta ficasse suspenso, inaudível, invisível e só existisse a incrível história que eu estava a descobrir no momento.

Os dias seguintes foram de trabalho, tão exigente que me deixou cansada e sem tempo nem energia para ler.  Ao chegar ao hotel só me apetecia descansar, aproveitando as poucas horas que o despertador me deixaria livres para dormir.

Não obstante, por diversas vezes pensei em "O Sentido do Fim", recordando o que tinha lido e sonhando com a próxima leitura.

Finalmente chegou o momento, no voo de regresso de Bruxelas a Lisboa e o cenário não foi muito diferente do da viagem inversa mas agora já sabia mais sobre Tony, Verónica, Margaret, Adrian, Mr. and Mrs. Ford e outras personagens. Não o suficiente para poder prever o desfecho da história, tão-pouco dos pequenos mistérios criados numa página e revelados duas ou três depois. É uma característica do livro, esta de deixar o leitor em constante dúvida.

Nos escassos e rápidos momentos seguintes à chegada a Lisboa, fui aproveitando quase obstinadamente para continuar a ler e quando o avião parou no aeroporto do Porto, assinalando assim o término da minha leitura desta viagem profissional, faltavam-me cerca de 30 páginas para chegar ao final. Continuava longe de o prever mas com a certeza de que não poderia deixar passar aquele dia sem descobrir tudo o que as últimas páginas teriam para revelar.

Já em casa, no final de um longo dia e de uma exigente semana do trabalho, lá estava eu, amarrada a esta tão cativante história e, desta vez, maravilhada com a genial forma que Julian Barnes utilizou para conseguir completar o puzzle perfeito das interrogações que foram levantadas durante toda a narrativa. Tudo, até ao mais ínfimo detalhe, se encaixou na perfeição. Nada foi precipitado ou forçado.

Foi, sem dúvida, uma excelente surpresa na entrada em 2012, este vencedor do “Man Booker Prize” de 2011.

Um livro pequeno mas muito marcante. Recomendo vivamente.

 

 



publicado por numadeletra às 20:30 | Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

8 comentários:
De marcia a 15 de Maio de 2012 às 21:25
Já sabia que queria ler este livro, mas agora, depois de ler o que escreveste, sinto que preciso!
Foi um dos que deixei de comprar na Feira do Livro de Lisboa na medida em que não tinha um desconto tão apetecível como outros, mas acho que deve ser mesmo fascinante.


De numadeletra a 16 de Maio de 2012 às 13:39
Sim, tens mesmo de ler, Márcia!... E estou curiosa por saber a tua opinião.

Já o podes colocar na lista da Feira do Livro do Porto


De marcia a 17 de Maio de 2012 às 00:26
Já está na minha lista ao tempo! Vou pensar nisso!


De pedrices a 19 de Maio de 2012 às 00:35
este não preciso de comentar...:)


De numadeletra a 19 de Maio de 2012 às 22:29
Pois não, Pedro!... Li-o por causa de ter escrito maravilhas sobre ele ;-)


De [email protected] a 23 de Agosto de 2012 às 11:25
É sem dúvida uma excelente obra. Com este livro Barnes prova que um livro pequeno pode ser uma grande obra.


De [email protected] a 23 de Agosto de 2012 às 11:26
É sem dúvida uma excelente obra. Com este livro Barnes prova que um livro pequeno pode ser uma grande obra.


De numadeletra a 26 de Agosto de 2012 às 23:14
Olá Tiago,

Obrigada pela visita e comentário. Concordo a 100%!


Comentar post

mais sobre mim
[email protected]
[email protected]
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


"A Peregrinação do Rapaz ...

Registos de Rua... parte ...

Para sempre George Michae...

Feliz Natal!

“A Mulher”, de Meg Wolitz...

Registos de Rua... parte ...

Exposição de Artes Plásti...

Dia do Animal

Dia Mundial da Música

5ª Edição de Inaugurações...

Maio 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Estiveram Numa de Letra...
simple hit counter
Tampouco gostei. Achei enfadonho e foi com dificu...
Mesmo sem ser um fã de Murakami, a verdade é que e...
Parabéns :|
O livro nunca esteve proibido em Portugal.
Gostaríamos de oferecer gratuitamente 60€ em publi...
Que frase extraordinária, adorei!Um bom ano para t...
Feliz Natal <:)}
Feliz Natal!um beijinhoGábi
Adivinhei o "segredo" logo no início...
Adorava ler este livro em Português mas não estou ...
tags

1q84

2012

2013

2014

2015

2016

39 em 1

55ª exposição internacional de arte

acordo ortográfico

aeroporto

afonso cruz

agradecimento

animais

aniversário

ano novo

antónio

antónio alçada baptista

arte

as leituras dos outros

barcelona

bienal de veneza

boas festas

bom fim-de-semana

bruxelas

caricatura

caricaturista

cascais

catarina ou o sabor da maçã

cinema

coldplay

concertos

david bowie

debaixo de algum céu

dia do animal

dia mundial da criança

dia mundial da música

dia mundial do livro

estádio do dragão

fantasporto

feira do livro

feira do livro do porto

férias

florença

foz do douro

funchal

gabriel garcía márquez

galerias de arte

haruki murakami

inaugurações simultâneas

israel

itália

jorge luis borges

josé eduardo agualusa

josé saramago

julião sarmento

la biennale di venezia

lisboa

livraria galeria papa-livros

livraria galileu

livrarias

livros

londres

luis sepúlveda

madeon

mensagens

metro

miguel torga

murais

museu nacional soares dos reis

museu soares dos reis

música

naftali bezem

natal

noites brancas

nuno camarneiro

ondjaki

os anos

os transparentes

paris

pavilhão grã-bretanha

philip roth

poesia

porto

primavera

projecto arte de portas abertas

provérbios

quantas madrugadas tem a noite

quarteirão miguel bombarda

raymond carver

rua

s. joão

serralves

soho

tel aviv museum of art

teolinda gersão

the national gallery

truman capote

valter hugo mãe

veneza

viagens

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds